Bolsonaro dançando funk machista divide aliados evangélicos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.12.2021 - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) durante o evento de lançamento do programa Rodovida 2022, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.12.2021 - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) durante o evento de lançamento do programa Rodovida 2022, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Tudo bem o presidente Jair Bolsonaro dançar em alto mar, e seus aliados fazerem questão de compartilhar, um funk que compara mulheres da oposição progressista a cadelas?

Aliados evangélicos não chegam a um consenso. Enquanto o pastor Silas Malafaia e o deputado Marco Feliciano (PL-SP) ressaltam que, por não ser um crente, o mandatário não tem que ser cobrado como tal, outros apoiadores viram a divulgação do material como descabida --afinal, Bolsonaro, que se declara católico, tem nesse núcleo de fé um dos seus principais parceiros.

Nenhum deles apreciou o gingado presidencial ao som do "Proibidão do Bolsonaro", paródia da música "Baile de Favela" feita pelo MC Reaça. Diz a letra do bolsonarista morto em 2019, aos 25 anos: "As [mulheres] de esquerda têm mais pelo que cadela".

Mas, para Malafaia, é preciso lembrar que o presidente não é evangélico. "Se ele fosse, eu seria o primeiro a reprová-lo. Não posso impor às pessoas aquilo que tem a ver com as minhas crenças, não posso impor", diz o pastor.

"Isso é uma atitude dele. Te garanto que, se fosse evangélico, não faria. Por quê? Está dentro de um escopo de princípios, nós não participamos disso."

Feliciano, que também é pastor, segue linha de raciocínio similar. "Nós elegemos um político em quem confiamos, não elegemos um pastor ou um evangélico puritano. O que o presidente faz na vida privada não nos interessa."

Outros evangélicos da órbita bolsonarista, contudo, acharam o vídeo inoportuno. "Foi muito ruim", disse sem querer se prolongar no tema o apóstolo César Augusto, líder da Igreja Fonte da Vida e parte da comitiva pastoral que convive com o presidente.

"Não gostei e, quanto às mulheres, não aprovo", disse outro apóstolo próximo a Bolsonaro, Estevam Hernandes, da Renascer em Cristo. Bolsonaro, nas imagens, se diverte com a música machista e dança ao lado de dois homens jovens sem camisa, de bermuda, e uma mulher de biquíni.

Mesmo o deputado que representa a igreja de Malafaia no Congresso, Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), diz que o compartilhamento da cena em que Bolsonaro aparece dançando um funk de teor machista foi desnecessário. "O eleitor evangélico, em especial o do interior do país, não vai ver esse vídeo com bons olhos."

A gravação, feita no domingo (19), a bordo de uma lancha no litoral paulista, foi usada por correligionários do presidente como uma resposta ao jantar que uniu Lula (PT) e Geraldo Alckmin (sem partido, ex-PSDB), potenciais companheiros de chapa em 2022.

"Bolsonaro preocupado com o 'Jantar da Democracia' de Lula/Alckmin", escreveu o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), primogênito do ocupante do Palácio do Planalto, numa rede social. A mesma provocação partiu do coronel Mosart Aragão, assessor político de Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos