Sem dado que comprove, Bolsonaro defende abertura de igrejas: "Último lugar procurado antes do suicídio"

Ana Paula Ramos
·3 minuto de leitura
Bolsonaro e prefeito de Chapecó
Bolsonaro e prefeito de Chapecó
  • Bolsonaro defendeu abertura de igrejas durante pandemia

  • Estudo aponta igrejas como locais de alto risco para a propagação do coronavírus

  • Presidente está em visita a Chapecó (SC) nesta quarta (7)

Com mais um recorde de mortes de pela covid-19 no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro defendeu a abertura de igrejas durante a pandemia, sendo que estudos científicos internacionais já indicaram riscos elevados de transmissão do novo coronavírus durante a realização de missas e cultos religiosos presenciais. De acordo com os especialistas, esse tipo de evento reúne diversos fatores que facilitam a propagação da Covid-19 como: reunir grande quantidade de pessoas em espaços fechados, com os presentes falando alto e cantando.

Em visita a Chapecó (SC), na manhã desta quarta-feira (7), Bolsonaro afirmou que espera que o Supremo Tribunal Federal (STF) mantenha a liminar do ministro Kassio Nunes Marques, que permitiu a abertura de templos religiosos, ou que algum magistrado peça vistas para o assunto ser mais discutido.

Leia também

“Eu espero que daqui a pouco — está previsto o Supremo Tribunal Federal julgar a liminar do ministro Kassio Nunes — ou que a liminar seja mantida ou que alguém peça vistas para que nós possamos discutir um pouco mais a abertura ou não de templos religiosos”, disse ele em discurso.

Sem apresentar nenhum dado que comprove, Bolsonaro argumentou que a abertura de igrejas é necessária devido ao aumento nos índices de suicídio no Brasil e afirmou que, em um país de maioria cristã, o direito de culto deve ser assegurado.

“Qual o último local que alguém procura antes de praticar um suicídio – que aumentou em muito no Brasil? São as igrejas. Quem não é cristão que não vá, mas não queira tirar o direito, a liberdade de quem quer procurar um pastor ou um padre.”

Indicado por Bolsonaro à vaga no STF, Nunes Marques alegou em liminar proferida no sábado que medidas de enfrentamento da pandemia como a restrição de cultos “ferem o direito fundamental à liberdade religiosa”.

O presidente da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), Jonas Donizette, afirmou que o argumento da decisão do ministro “não condiz com a verdade”.

“A liberdade de culto não foi tirada de ninguém. Se você ligar agora a internet, estão sendo transmitidos cultos para o Brasil inteiro. O que está sendo orientado neste momento é para as pessoas não saírem de casa. Há até supermercados atendendo uma pessoa de cada vez”, disse Donizette, em entrevista ao site Poder360, no domingo (4).

A medida será votada nesta quarta-feira pelo plenário do Supremo Tribunal Federal.

Visita a Chapecó

O presidente Jair Bolsonaro elogiou a atuação do prefeito de Chapecó, que, assim como ele, é defensor do tratamento precoce, com a adoção de medicamentos sem eficácia comprovada no tratamento da covid-19. Bolsonaro também questionou a amplitude da doença causada pelo coronavírus no Brasil.

“O problema está aí. Soluções, algumas aparecem, como a de Chapecó. Outras virão. Como disse desde o começo: temos que ter coragem para decidir. Se ficar parado, esperando solução, o problema, além desse do vírus, teremos outro, o do desemprego, que leva à depressão, à falta de esperança e a que outras doenças sejam agravadas. Parece que no Brasil só tem Covid. Acabaram as outras mortes, os outros sofrimentos? Não.”

Apontada pelo presidente como exemplo no combate à covid-19, Chapecó tem 100% dos leitos de UTIs lotados no SUS e na rede privada. O município acumula ainda mais mortes por 100 mil habitantes do que o país e que Santa Catarina. A cidade apresenta taxa de 243 mortos para cada 100 mil habitantes, superior à média nacional (157,7 vítimas) e de Santa Catarina (158), segundo dados do Ministério da Saúde.

Agenda de viagens

Após Chapecó, o chefe do Executivo terá agenda em Foz do Iguaçu (PR), para acompanhar o término da obra da pista de pouso e decolagem, além de inaugurar o novo pátio de manobras e a duplicação da via de acesso ao aeroporto da região.

À noite, ele estará em São Paulo para encontro com empresários na tentativa de restabelecer uma relação que tem se desgastado nos últimos tempos.