Bolsonaro defende direito de líderes como Trump de deportarem brasileiros

PATRÍCIA CAMPOS MELLO
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 16.01.2020 - O Presidente Jair Bolsonaro durante entrevista na entrada do Palácio da Alvorada, em Brasília. (Foto: Andre Coelho/Folhapress)

DÉLI, ÍNDIA (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro defendeu o direito de líderes como o americano Donald Trump de deportar brasileiros que estejam vivendo ilegalmente em outros países.

Indagado a respeito do aumento na deportação de brasileiros dos Estados Unidos, Bolsonaro afirmou: "Em qualquer país do mundo onde as pessoas estão de forma clandestina, é um direito do chefe de Estado devolver esses nacionais, as leis têm de ser respeitadas, (deportar) é um direito do chefe de Estado, que está usando da lei", disse o presidente, ao retornar de almoço com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

Na sexta-feira (24), ao menos 70 brasileiros foram deportados ao Brasil no segundo voo fretado pelo governo dos Estados Unidos com essa finalidade desde outubro. 

Leia também

O governo Trump solicitou formalmente a Brasília a autorização para fretar mais voos com o objetivo de deportar brasileiros por imigração irregular. 

O número de brasileiros apreendidos ao tentar atravessar sem documentos a fronteira dos Estados Unidos bateu o recorde de 18 mil em 2019.

Bolsonaro está em visita oficial de três dias à Índia. Neste sábado, reuniu-se com Modi e assinou 15 acordos com a Índia. No domingo, será convidado de honra do desfile do Dia da República da Índia.

O presidente afirmou que lamenta a deportação de brasileiros, mas que é necessário respeitar a legislação. "Lamento que brasileiros que foram buscar novas oportunidades lá fora sejam deportados, mas precisamos respeitar a soberania de outros países."

Indagado se o Brasil poderia ajudar a identificar esses indivíduos vivendo ilegalmente nos EUA ou no Reino Unidos, disse que não, que os países é que devem fazer isso.  

Ele voltou a criticar a nova lei de imigração brasileira, afirmando que é muito permissiva e dá direitos demais aos imigrantes.

"As pessoas chegam no Brasil e têm mais direito que a gente, não deveria acontecer isso, a gente tem que preservar nossos direitos", disse. "Se abrir as portas como está previsto na lei de imigração vai entrar um fluxo muito grande de pessoas, com muitos direitos."