Bolsonaro defende Mendonça e diz que ele propôs pena 'menos injusta' a Silveira

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* Brasília, DF - 18/04/2022 - Foto, Presidente Jair Bolsonaro. Nesta segunda (18) o Presidente Jair Bolsonaro (PL) e Ministro Marcelo Queiroga participam da cerimônia de Contratação dos Primeiros Médicos do Programa Médicos pelo Brasil. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)
*ARQUIVO* Brasília, DF - 18/04/2022 - Foto, Presidente Jair Bolsonaro. Nesta segunda (18) o Presidente Jair Bolsonaro (PL) e Ministro Marcelo Queiroga participam da cerimônia de Contratação dos Primeiros Médicos do Programa Médicos pelo Brasil. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) minimizou nesta sexta-feira (29) o voto de André Mendonça pela condenação do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) e disse que a pena sugerida pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) seria "menos injusta".

Bolsonaro afirmou que Mendonça "está ao lado do Brasil, do povo e ao lado da família".

O ministro foi criticado por antigos aliados e membros da bancada evangélica ao votar pela condenação de Silveira a 2 anos e 4 meses, em regime inicialmente aberto.

O deputado foi condenado pela corte a uma pena mais dura, de 8 anos e 9 meses de prisão, em regime inicial fechado. "Ele foi bastante criticado no voto dele, mas aos poucos o pessoal vai entendendo o que aconteceu realmente naquela sessão [do STF]", disse Bolsonaro à rádio Metrópole FM de Cuiabá (MT).

"O André Mendonça não fico no meio do caminho. Ficou bem antes, não deu inelegibilidade. Ele deu 2 anos de detenção. Seria, né, uma alternativa para uma punição menos injusta, vamos assim dizer", disse.

O presidente decidiu no último dia 21 desafiar o STF conceder o perdão de pena ao deputado.

Pastor presbiteriano e ex-advogado-geral da União, Mendonça foi a aposta do presidente para agradar ao público evangélico e ganhar terreno dentro do Supremo. Isso porque o presidente considera que alguns magistrados atuam como opositores do governo.

"É uma pessoa de princípios, religiosa, família, conservador. Tem uma bagagem cultural enorme. Trabalhamos muito para ele conseguir aquela cadeira no STF", disse ainda o presidente.

Após a condenação, o pastor Silas Malafaia disse que o "terrivelmente evangélico André Mendonça me decepciona e quem eu critiquei, ministro Kassio Nunes, terrivelmente me representa".

Já deputado e pastor evangélico Marco Feliciano afirmou, nas redes sociais, estar "terrivelmente desapontado."

Mendonça reagiu e disse, no último dia 21, que fez o correto como cristão e jurista. "E é preciso se separar o joio do trigo, sob pena de o trigo pagar pelo joio. Mesmo podendo não ser compreendido, tenho convicção de que fiz o correto", escreveu, nas redes sociais.

O magistrado ainda afirmou que "como cristão, não creio tenha sido chamado para endossar comportamentos que incitam atos de violência contra pessoas determinadas". E declarou que "há formas e formas de se fazerem as coisas".

Bolsonaro disse que não manda no voto dos ministros do STF e que o melhor caminho não seria Mendonça tentar adiar a votação com pedido de vista.

O presidente disse que concedeu o indulto individual a Silveira por causa de "excessos" na condenação do STF. "Por mais que tenha falado coisas absurdas, e ninguém discute que foram coisas absurdas, a pena não pode ser de 8 anos em regime fechado", declarou Bolsonaro.

"Não quero peitar o Supremo, dizer que sou mais importante. Longe disso", disse o presidente. Ele também afirmou que agiu como "moderador" e dentro da Constituição.

Por causa de ataques aos membros do Supremo, o parlamentar foi condenado por 10 votos a 1. Apenas o ministro Kassio Nunes Marques, também nomeado por Bolsonaro, divergiu e defendeu a absolvição do parlamentar.

Os ministros do STF também aprovaram cassar o mandato de deputado, suspender os direitos políticos de Silveira, que articula candidatura ao Senado, e aplicar multa de cerca de R$ 192 mil.

Alexandre de Moraes, do Supremo, afirmou que o indulto concedido pelo presidente não afasta a inelegibilidade. O ministro declarou, em manifestação após a decisão de Bolsonaro, que se trata de tema "pacificado" no TSE (Tribunal Superior Eleitoral):

"O indulto presidencial não equivale à reabilitação para afastar a inelegibilidade decorrente de condenação criminal, o qual atinge apenas os efeitos primários da condenação --a pena, sendo mantidos os efeitos secundários", escreveu Moraes.

O julgamento de Daniel Silveira é mais um caso que opõe o tribunal ao governo Bolsonaro. O mandatário chegou a mobilizar atos golpistas em setembro de 2021 que tiveram a corte como alvo principal.

Na quarta-feira (27), Bolsonaro promoveu evento oficial no Palácio do Planalto com deputados aliados no qual reforçou ataques ao STF.

Batizada de "ato cívico pela liberdade de expressão", com transmissão ao vivo pela TV Brasil, a mobilização foi liderada pelas bancadas evangélica e da bala do Congresso, como uma forma de demonstrar apoio ao presidente em meio ao embate com a corte.

Nos discursos, a repetição de insinuações golpistas contra o Supremo e as eleições.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos