Bolsonaro demite general Fernando Azevedo do Ministério da Defesa

GUSTAVO URIBE E VINICIUS SASSINE
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, foi demitido do cargo nesta segunda-feira (29) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A saída faz parte de uma reforma ministerial que o presidente pretende anunciar até o final do dia. Segundo assessores palacianos, Bolsonaro avalia deslocar o general Walter Braga Netto da Casa Civil para a Defesa. Com a mudança, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, deve ser acomodado na Casa Civil. A Secretaria de Governo, responsável pela articulação política, deve ser entregue a um parlamentar do bloco do centrão, que sustenta a base aliada do presidente no Congresso. Os nomes favoritos no Palácio do Planalto para assumir a coordenação política são o do ministro das Comunicações, deputado federal Fábio Faria (PSD-RN), e do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). "Ele [Bolsonaro] falou que haverá umas trocas até hoje à noite e que nós ficaríamos sabendo", disse o senador Jorginho Mello (PL-SC), que se reuniu no início da tarde com o presidente. A demissão do general pegou de surpresa generais que integram o alto comando do Exército. Alguns deles ligavam a TV sintonizados em canais de notícias para entender o que estava ocorrendo. Generais se reuniram na semana passada em Brasília com o comandante do Exército, Edson Leal Pujol, e a demissão do ministro não estava no radar desses militares. A queda de Fernando Azevedo e Silva ocorre no mesmo dia da saída de Ernesto Araújo do cargo de ministro das Relações Exteriores. Segundo aliados, Bolsonaro deve promover novas trocar no primeiro escalão do governo federal. Em carta logo após a demissão, o general agradeceu o presidente e disse que, "nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado". "O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira. Saio na certeza da missão cumprida", afirmou o agora ex-ministro, em nota. Azevedo é o segundo militar demitido no intervalo de apenas duas semanas. Antes, o general da ativa Eduardo Pazuello foi trocado pelo médico Marcelo Queiroga no MInistério da Saúde. Ao mesmo tempo em que reforça a militarização de seu governo ao entregar cargos como a presidência da Petrobras a um general, Bolsonaro decidiu nas últimas semanas arejar seu núcleo duro e levar nomes do centrão para o Palácio do Planalto, local onde trabalham seus principais conselheiros. Há um mês, Bolsonaro deu posse a Onyx Lorenzoni (DEM-RS) como ministro da Secretaria-Geral, em mais um passo no sentido de colocar políticos para perto de si. Onyx agora despacha no quarto andar da sede do governo, a um lance de escadas do chefe. Este movimento de amenizar a hegemonia militar em seu principal círculo de influência começou com o ingresso de Fábio Faria (PSD-RN) no governo, em junho do ano passado, e ganhou corpo com a mudança dele, ministro das Comunicações, para o segundo andar do Planalto, apenas um pavimento abaixo do gabinete presidencial —antes despachava no prédio da pasta, a cerca de 1 km do Planalto. Pelo lado militar, estão no Planalto os generais da reserva Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), além do chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, que começou forte no governo, mas perdeu influência e hoje se tornou um coadjuvante. * MINISTROS MILITARES DE BOLSONARO Origem nas Forças Armadas Casa Civil Walter Souza Braga Netto, general da reserva do Exército Secretaria de Governo Luiz Eduardo Ramos, general da reserva do Exército Gabinete de Segurança Institucional Augusto Heleno, general da reserva do Exército ​Ciência e Tecnologia Marcos Pontes, tenente-coronel da reserva da Aeronáutica Minas e Energia Bento Albuquerque, almirante da Marinha Infraestrutura Tarcísio de Freitas, capitão da reserva do Exército Controladoria-Geral da União Wagner Rosário, capitão da reserva do Exército