Bolsonaro descarta alta da Cide após queda do petróleo, espera preço menor na refinaria

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro descartou nesta segunda-feira elevar a Cide para aumentar a arrecadação federal aproveitando a queda abrupta na cotação do petróleo no mercado internacional, e disse que a tendência é que os preços dos combustíveis caiam nas refinarias.

Bolsonaro também reiterou que a Petrobras vai manter sua política de preços sem interferências políticas.

"NÃO existe possibilidade do Governo aumentar a Cide para manter os preços dos combustíveis", disse Bolsonaro em publicação no Twitter, fazendo referência à Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico, que incide sobre os combustíveis.

Um eventual aumento da Cide foi citado por analistas como uma possibilidade para o governo aumentar a arrecadação diante da queda do preço do petróleo em mais de 25% no mercado internacional nesta segunda-feira, em um momento de economia ainda em recuperação.

"O barril do petróleo caiu, em média, 30% (US$ 35 o barril). A Petrobras continuará mantendo sua política de preços sem interferências. A tendência é que os preços caiam nas refinarias", acrescentou.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, já havia descartado a hipótese em entrevista mais cedo a jornalistas.


(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)