Após cobranças, Bolsonaro afirma em discurso que Brasil busca de 'maneira incansável' indigenista e jornalistas na Amazônia

Em seu discurso na Cúpula das Américas, nesta sexta-feira, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro lembrou o desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips e disse que as Forças Armadas e Policia Federal estão em "uma busca incansável" pelos dois. Bolsonaro vem sendo pressionado, nos últimos dias, tanto por autoridades presentes na cúpula quanto por representantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), por mais informações sobre os dois, que foram vistos pela última vez no dia 5 de junho, durante viagem ao Vale do Javari, no Amazonas.

Itamaraty: Relações com os EUA passam por 'estágio positivo' após encontro de Biden e Bolsonaro

'É igual a um casamento': Bolsonaro diz que veio para encontro com Biden só após agenda ser acertada

Após críticas de líderes: Biden vê acordo sobre 'questões substantivas' na cúpula das Américas

— O britânico Dom Phillips e brasileiro Bruno Pereira desapareceram no Vale de Javari e desde o primeiro momento nossas Forças Armadas e a Polícia Federal estão em uma busca incansável. Pedimos a Deus para que sejam encontrados com vida — afirmou.

Na quinta-feira, o ministro da Justiça, Anderson Torres, se reuniu, a pedido do governo britânico, com a vice-ministra para África, América Latina e Caribe do Escritório de Relações Exteriores e Desenvolvimento do Reino Unido, Vicky Ford. Um protesto de ativistas, na terça-feira, também cobrou do governo brasileiro informações sobre o caso. Bolsonaro chegou a dizer que os dois desapareceram durante "uma aventura".

No discurso na cúpula, o presidente voltou a defender a política ambiental brasileira, disse que o Brasil é um dos "países que mais preserva o meio ambiente no mundo" e elogiou o encontro com o presidente americano, Joe Biden, com quem disse estar "maravilhado".

'Aventura': Bolsonaro critica 'aventura' de desaparecidos na Amazônia: 'Não é recomendável que se faça'

Gabriel Boric: Estrela na Cúpula das Américas, chileno faz cobranças a Bolsonaro

Subsecretário do Departamento de Estado americano: 'A relação entre EUA e América Latina é como um casamento'

Ao abrir sua fala, Bolsonaro agradeceu ainda o convite para participar da "reunião de líderes democráticos", uma referência à ausência de representantes de Cuba, Venezuela e Nicarágua, países excluídos evento.

— Ontem estive com o presidente Biden numa bilateral ampliada e numa mais reservada. Ficamos por 30 minutos sentados, numa distância inferior de um metro e sem máscara. Senti em Biden sinceridade e vontade para resolver problemas que fogem da responsabilidade de cada um de nós. Acredito que todos trabalhando dessa maneira atingiremos nosso objetivos, em especial o governo americano. A experiência foi fantástica. Estou maravilhado e acreditando em suas palavras.

Após o primeiro encontro bilateral com o presidente americano, o clima na delegação brasileira é de satisfação e, em alguns casos, até mesmo euforia. Se em algum momento houve receio sobre a presença de Bolsonaro na cúpula presidencial, após a conversa com Biden todos respiraram aliviados.

No dia anterior, o presidente brasileiro foi recebido num clima de extrema boa predisposição por parte dos anfitriões. Fontes do governo brasileiro asseguraram que nas conversas bilaterais não houve cobranças sobre democracia, meio ambiente, ataques ao Supremo Tribunal Federal ou eleições. O próprio Bolsonaro confirmou que falou mais do que Biden, e que o encontro superou suas expectativas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos