Bolsonaro dispara texto em que fala de 'ruptura' e 'ação das Forças Armadas'

Jair Bolsonaro (Foto: Allison Sales/FotoRua/NurPhoto via Getty Images)
Jair Bolsonaro (Foto: Allison Sales/FotoRua/NurPhoto via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) encaminhou por listas de transmissão no WhatsApp um texto em que fala sobre ruptura institucional, ilegalidade do Supremo Tribunal Federal (STF) e a ação de militares caso os ministros descumpram “ordens legais”.

Em um print de trecho divulgado pela CNN Brasil, o chefe do Executivo Nacional diz que uma crise de ruptura só não ocorreu ainda porque ele mesmo tem conseguido, “com paciência”, “amortecer as ilegalidades do STF”. O mandatário, no entanto, alerta que “isto está por um fio”.

“Não importando a causa, quando o presidente não cumprir uma das ordens ilegais, ai as Forças Armadas terão que agir. E isso, ao que parece, não vai demorar”, declara Bolsonaro.

As mensagens, segundo a emissora, foram enviadas nesta quinta-feira (29).

Não é de hoje que o atual presidente da República dispara críticas e ameaças ao Supremo. A relação dele com os ministros nunca foi fácil.

Na segunda-feira (26), em entrevista ao Jornal da Record, o candidato à reeleição disse ser vítima de perseguição política de ministros do STF e do TSE.

“TSE fica o tempo todo aceitando qualquer ação de partidos, em especial do PT, para tentar atrapalhar a minha campanha”, afirmou o presidente.

Na mesma sabatina, ele diz que os mesmos ministros que tiraram Lula da cadeira são os que conduzem o processo eleitoral. O ex-presidente petista tornou-se elegível após anulação dos processos dele no STF.

Nesta semana, dois ex-membros da Corte declararam voto no ex-presidente Lula (PT), principal adversário de Bolsonaro: Joaquim Barbosa e Celso de Mello. Na declaração, os dois criticaram o comportamento do presidente. Barbosa chega a dizer que Bolsonaro é “ser humano abjeto”.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)