Bolsonaro diz concordar com comandante do Exército e que Forças Armadas devem se manter apartidárias

Gustavo Maia
·2 minuto de leitura
Pablo Jacob/Agência O Globo/28-10-2020
Pablo Jacob/Agência O Globo/28-10-2020

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que concorda com a declaração do comandante do Exército, o general Edson Leal Pujol, de que os “militares não querem fazer parte da política”. Bolsonaro lembrou que Pujol foi escolhido por ele para o cargo e disse que as Forças Armadas devem se manter apartidárias e, como determina a Constituição, "sob a autoridade suprema do Presidente da República".

"A afirmação do General Edson Leal Pujol (escolhido por mim para Comandante do Exército), que “militares não querem fazer parte da política”, vem exatamente ao encontro do que penso sobre o papel das Forças Armadas no cenário nacional", escreveu o presidente em suas redes sociais.

"São elas o maior sustentáculo e garantidores da Democracia e da Liberdade e destinam-se, como reza a Constituição, 'à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de quaisquer destes, da lei e da ordem'. Devem, por isso, se manter apartidárias, 'baseadas na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República'", complementou Bolsonaro.

A afirmação de comandante do Exército, citada pelo presidente, ocorreu na quinta-feira, durante transmissão ao vivo pela internet. Ele declarou que os militares não querem “fazer parte da política governamental ou política do Congresso Nacional e muito menos queremos que a política entre dentro dos nossos quartéis”. E disse que o fato de militares ocuparem cargos no governo federal trata-se de uma decisão exclusiva do Executivo.

Nesta sexta-feira, o general voltou ao tema e declarou que o Exército não é uma instituição de governo e não muda sua maneira de pensar de cumprir suas missões a cada quatro anos.

— Não somos instituição de governo, não temos partido. Nosso partido é o Brasil. Independente de mudanças ou permanências de determinado governo por um período longo, as Forças Armadas cuidam do país, da Nação. Elas são instituições de Estado, permanente. Não mudamos a cada quatro anos a nossa maneira de pensar e como cumprir nossas missões — disse Pujol.

No início da tarde, ao deixar o Palácio do Planalto, o vice-presidente Hamilton Mourão, também egresso das Forças Armadas, reforçou a fala do comandante do Exército. Ele afirmou que concorda com o general e disse que a politização dos militares atrapalha a hierarquia e a disciplina dentro das Forças Armadas. Mourão é general da reserva do Exército.