Bolsonaro diz a Erdogan, no G20, que Petrobras é um problema e dá informações falsas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
**Arquivo**BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  15-09-2021 O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de anúncio de avanços no programa Casa Verde Amarela. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**Arquivo**BRASÍLIA, DF, BRASIL, 15-09-2021 O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de anúncio de avanços no programa Casa Verde Amarela. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

ROMA, ITÁLIA (FOLHAPRESS) - O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse ao presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que "a Petrobras é um problema". A frase foi dita em uma rodinha de líderes na qual estava também Olaf Scholz, o social-democrata que deve se tornar premiê da Alemanha, mas foi ignorado pelo presidente brasileiro.

O líder turco foi o primeiro, entre os mais de 20 presentes, a ser abordado por Bolsonaro, logo após pegar um salgadinho e tirar a máscara, assim que entrou na antessala da reunião de cúpula do G20, em Roma.

"Me ajuda aí", disse o presidente brasileiro ao tradutor, dirigindo-se ao grupo em que Erdogan conversava com Scholz. Avisado de que Bolsonaro gostaria de conversar com ele, o líder turco perguntou ao presidente como estava a situação no Brasil. Em resposta, ouviu várias informações falsas.

"Tudo bem. A economia voltando bem forte", afirmou ele, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, embora o FMI aponte a economia brasileira como a que terá menor crescimento entre as do G20 neste ano. De acordo com o órgão internacional, o Brasil é um dos países em que os estímulos usados pelo governo contra a crise provocada pela pandemia de coronavírus tiveram efeito negativo.

O presidente emendou em seguida: "A mídia, como sempre, atacando; estamos resistindo bem. Não é fácil ser chefe de Estado em qualquer lugar do mundo". O presidente turco não concordou nem discordou, apenas mudou de assunto, dizendo que o Brasil "tem grandes recursos petrolíferos" e citando a Petrobras.

Em vez de aproveitar a deixa para elogiar a empresa brasileira, Bolsonaro optou pela crítica: "Petrobras é um problema. Mas estamos quebrando monopólios, com uma reação muito grande. Há pouco tempo era uma empresa de partido político. Mudamos isso."

Erdogan sai outra vez pela tangente: "E quando é a eleição?". O presidente responde que é daqui a 11 meses, e o líder turco acrescenta: "Significa que o senhor tem bastante coisa ainda para fazer".

Bolsonaro afirma então que tem "apoio popular muito grande", embora a pesquisa Datafolha mais recente mostre que mais da metade (53%) dos brasileiros o reprova, o maior índice desde que tomou posse.

O presidente brasileiro acrescentou ainda que tem "uma boa equipe de ministros". "Não aceitei indicação de ninguém. Foi eu que botei todo mundo. Prestigiei as Forças Armadas. Um terço dos ministros [é de] militares profissionais. Não é fácil. Fazer as coisas certas é mais difícil."

Durante os cerca de dois minutos de conversa, Bolsonaro não fez nenhuma pergunta sobre a Turquia a Erdogan. Também não dirigiu nenhuma palavra a Scholz, que depois de algum tempo virou de costas e passou a conversar com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson.

A conversa foi filmada pelo jornalista Jamil Chade, do UOL, que havia sido o indicado para cobrir a chegada dos líderes em um esquema de "pool" —no qual, quando há restrições no número de pessoas, um repórter faz a cobertura sob compromisso de compartilhá-la com os outros credenciados para o evento.

Após o diálogo, porém, o jornalista foi retirado por seguranças, por estar numa área fechada à mídia. Após falar com Erdogan, o brasileiro trocou frases com Boris e o presidente da Argentina, Alberto Fernández.

As críticas à Petrobras vêm um dia depois de as ações da petroleira despencarem (5,9% as preferenciais e 6,49% as ordinárias), justamente em razão de críticas feitas por Bolsonaro, na quinta, ao lucro da estatal

Sofrendo impactos do aumento de preços dos combustíveis em sua popularidade, o presidente disse que a estatal "tem que ser uma empresa que dê um lucro não muito alto como tem dado" —no terceiro trimestre de 2021, os ganhos foram de R$ 31,1 bilhões.

Erdogan, 67, integra setores conservadores e da militância islamita e foi prefeito de Istambul, a principal cidade turca, de 1994 a 1998. Em 2001, fundou o seu partido, o AKP (Partido Justiça e Desenvolvimento).

O político se tornou primeiro-ministro em 2003 e renovou o mandato em 2007. Em 2014, foi eleito presidente da República e reeleito em 2018, adotando medidas autocráticas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos