Bolsonaro diz que filho 'pagará o preço' se tiver cometido erros

1 / 2
Bolsonaro participa do Fórum de Davos

O presidente Jair Bolsonaro, eleito com promessas de combater a corrupção no país, afirmou em entrevista nesta quarta-feira que seu filho, o senador eleito Flávio Bolsonaro, "pagará o preço" se forem comprovadas as transações financeiras irregulares de que é suspeito.

"Se por ventura ele vier a errar, se for comprovado, eu lamento como pai, mas ele vai pagar aí o preço dessas ações que não podemos coadunar", afirmou Bolsonaro na entrevista.

Bolsonaro fez esta declaração à agência de notícias Bloomberg durante sua participação no Fórum de Davos.

É a primeira vez que Bolsonaro se pronuncia de maneira contundente a respeito do escândalo enfrentado por sua presidência.

Sua primeira viagem ao exterior como presidente foi ofuscada pelo noticiário brasileiro a respeito de supostas irregularidades financeiras envolvendo seu filho mais velho.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) detectou movimentações atípicas nas contas de Fabrício José de Queiroz, motorista e segurança de Flávio Bolsonaro, então deputado da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Foram realizados 48 depósitos de 2.000 reais cada em sua conta bancária entre junho e julho de 2017, no valor total de 96.000 reais.

Os 48 depósitos foram feitos em cinco dias diferentes e com poucos minutos de diferença entre eles, em um caixa eletrônico da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

O filho mais velho de Bolsonaro, que assumirá o cargo de senador em fevereiro, nega qualquer irregularidade e afirma que o dinheiro foi obtido de forma transparente com a venda de um apartamento no Rio de Janeiro.

As primeiras suspeitas sobre o caso foram reveladas em dezembro pelo jornal Estadão, que divulgou um movimento de 1,2 milhão de reais nas contas de Fabrício Queiroz, ex-funcionário de Flávio Bolsonaro em seu gabinete na Alerj.

A investigação para determinar a origem do dinheiro, a cargo do Ministério Público do Rio de Janeiro, foi temporariamente suspensa pelo STP a pedido de Flávio Bolsonaro, episódio que aumentou a atenção da imprensa local e da opinião pública quanto ao caso.

A imprensa brasileira também destacou na terça-feira as suspeitas sobre a ligação de funcionários do gabinete de Flávio na Alerj com personalidades do crime organizado.

Segundo esses relatos, o gabinete de Flávio empregou durante alguns anos a mãe e esposa de Adriano Magalhães, um ex-policial que desde terça-feira é fugitivo da justiça por sua atuação em milícias, e que alguns meios de comunicação apontam extraoficialmente como suspeito do assassinato da vereadora Marielle Franco em março de 2018.

Flávio disse que a contratação de ambos os funcionários é responsabilidade de Queiroz e que qualquer tentativa de vincular seu nome ao crime organizado faz parte de uma "campanha de difamação" para afetar o governo de seu pai.

A investigação sobre Flávio Bolsonaro corre o risco de minar a agenda anticorrupção do presidente.