Bolsonaro diz não temer ações em série na Justiça e fala em continuar fazendo a mesma coisa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* Brasília, DF - 27/04/2022 - Foto, Presidente Jair Bolsonaro. Nesta quarta (27) o Presidente Jair Bolsonaro (PL) participa de encontro com Parlamentares chamado ?Liberdade de Expressão?. O Deputado Federal Daniel Silveira estava presente na cerimonia  com o decreto da Graças enquadrado , presente do Deputado Coronel Tadeu. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)
*ARQUIVO* Brasília, DF - 27/04/2022 - Foto, Presidente Jair Bolsonaro. Nesta quarta (27) o Presidente Jair Bolsonaro (PL) participa de encontro com Parlamentares chamado ?Liberdade de Expressão?. O Deputado Federal Daniel Silveira estava presente na cerimonia com o decreto da Graças enquadrado , presente do Deputado Coronel Tadeu. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)

SÃO PAULO, SP, E VITÓRIA, ES (FOLHAPRESS) - Em evento com evangélicos em Vitória (ES), o presidente Jair Bolsonaro reagiu neste sábado (23) a uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo que mostrou que ele deve enfrentar ações em série na Justiça comum caso não se reeleja.

Na Presidência, Bolsonaro só pode responder a processos penais que tenham relação com o mandato. A reportagem, publicada na sexta (22), mostrou que, caso perca o foro especial, ações contra ele poderão ser movidas por procuradores ou promotores pelo país. A realização de motociatas e declarações sobre a pandemia já motivaram procedimentos na Justiça contra ele, com liminares negadas.

Neste sábado, Bolsonaro afirmou: "Hoje tá na imprensa, segundo um grupo meu, tá na imprensa, ameaças à minha pessoa. Se eu perder o mandato, poderei ser preso por até cem anos pelos ataques à democracia. Eu não dou recado a ninguém. Se querem dar recado a mim, não vai surtir efeito. Vou continuar fazendo a mesma coisa".

A seguir, disse que tem "a obrigação moral, até com o sacrifício da própria vida" de não deixar que o país perca a liberdade.

No discurso, o presidente associou o seu principal adversário, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), à liberação das drogas e afirmou que não vai indicar nenhum "abortista" para o Supremo Tribunal Federal, caso vença.

Também defendeu suas atitudes na pandemia da Covid-19 e afirmou que foi o único chefe de Estado com uma opinião sobre o assunto. Sua condução da crise à época motivou a instauração de uma CPI no Senado, que pediu seu indiciamento em 2021.

"Quem não se preocupava com pobres é quem usou a força para mantê-los dentro de casa", disse, em crítica a prefeitos e governadores.

Bolsonaro também falou sobre a redução no preço dos combustíveis e mencionou o apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Em um aceno ao eleitorado feminino, que é um dos segmentos da sociedade onde tem mais alta taxa de rejeição, o presidente falou sobre a titulação de propriedades rurais.

"Homem só recebe título comigo se for viúvo ou solteiro. Se casado ou união estável, quem ganha é a mulher. A mesma coisa quando se fala do Auxílio Brasil."

Na visita ao Espírito Santo, Bolsonaro também promoveu uma motociata. À tarde, discursou em outro evento com apoiadores.

O presidente falou que por falta de conhecimento o povo padece, mas que ali todos tinham conhecimento que há "uma luta do bem contra o mal".

"Vocês sabem do outro lado, o que o mal quer. Quer banalizar o aborto, quer aprovar a ideologia de gênero, quer liberar as drogas no nosso país", disse, sob fortes aplausos dos apoiadores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos