Bolsonaro diz que auxílio emergencial será estendido com valor menor

.

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse na noite desta sexta-feira que já conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a extensão do auxílio emergencial pago a trabalhadores informais e autônomos para além do período inicial de assistência, de três meses, mas com uma diminuição do valor de repasse.

"Conversei com o Paulo Guedes que nós vamos ter que dar uma amortecida nisso aí. Vai ter a quarta parcela, mas não de 600 reais. Não sei quanto vai ser, 300 reais, 400 reais. E talvez tenha a quinta, talvez seja de 200 reais ou 300 reais. Até para ver se a economia pega", destacou o presidente em entrevista à Rádio Jovem Pan.

De acordo com o Bolsonaro, o governo não pode "jogar para o espaço" mais de 110 bilhões de reais gastos com a assistência, e alertou para os impactos das despesas na trajetória da dívida pública do país.

Na última terça-feira, em reunião com empresários, Guedes havia admitido a possibilidade de prorrogação, por um ou dois meses, do auxílio. O valor, no entanto, seria de 200 reais.

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, indicou na quinta-feira que o prolongamento do pagamento, uma das principais iniciativas do governo para o enfrentamento dos efeitos econômicos da pandemia do Covid-19, deve ter como baliza o valor pago pelo Bolsa Família. O auxílio emergencial é hoje de 600 reais. Já o benefício médio no âmbito do Bolsa Família é de cerca de 190 reais.


(Por Gabriel Ponte e Maria Carolina Marcello)