Bolsonaro diz que Auxílio de R$ 600 em 2023 tem o aval de Guedes

Bolsonaro diz que Auxílio de R$ 600 em 2023 tem o aval de Guedes
Bolsonaro diz que Auxílio de R$ 600 em 2023 tem o aval de Guedes
  • O valor de R$ 600 do Auxílio atualmente vale até dezembro deste ano;

  • A proposta de Orçamento governo prevê valor de R$ 400 para benefício em 2023;

  • Na semana passada, Guedes disse que o valor pode ser prorrogado caso a guerra na Ucrânia continue.

Após o governo ter enviado ao Congresso Nacional uma proposta de Orçamento que prevê o valor de R$ 400 para benefício em 2023, O presidente da República e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), voltou a prometer nesta terça-feira, 6, que o Auxílio Brasil vai continuar em R$ 600 a partir do ano que vem. O chefe do Executivo ainda declarou: "Tudo o que faço e falo tem aval do Paulo Guedes", citando o ministro da economia em entrevista à Jovem Pan.

Na última quinta-feira (1º), Paulo Guedes, por sua vez, afirmou que “se a guerra da Ucrânia continua, prorroga o estado de calamidade e aí você continua com R$ 600”.

“É possível pagar R$ 600? A resposta vocês já têm. O que nós fizemos nesses dois, três anos, R$600. Primeiro R$ 600, aí depois a doença estava recuando, R$ 400. Aí, a inflação subiu, houve um imperativo político, todo mundo reclamando da situação de dificuldade, que os mais frágeis estavam desprotegidos. O que nós fizemos, dentro da responsabilidade fiscal, ou seja, gerando superávit esse ano, foi pagar R$ 600”, afirmou o ministro durante a 10ª edição da "Feira do Empreendedor".

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

O aumento temporário do valor do Auxílio Brasil para R$ 600 até dezembro foi vista por especialistas como uma tentativa de melhorar a popularidade do presidente Jair Bolsonaro em ano de eleição. Na ocasião, o Planalto teve que decretar estado de calamidade pública usando como justificativa justamente a guerra na Ucrãnia.

Por desrespeitar várias regras fiscais, inclusive o teto de gastos, a ampliação do benefício só foi possível através do decreto de calamidade. Para continuar com o valor pro ano que vem, Bolsonaro já falou em usar recursos de vendas de estatais e de taxação de lucros e dividendos.