Bolsonaro diz que Brasil pode sofrer interferência externa visando eleição de 2022

Por Eduardo Simões
·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília

Por Eduardo Simões

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira em sua conta no Twitter, sem dar detalhes ou apontar evidências que sustentassem suas afirmações, que o Brasil pode sofrer "uma decisiva interferência externa" desde já com vistas a influenciar a eleição presidencial de 2022, quando ele deve buscar a reeleição, como afirmou por diversas vezes.

Sem elaborar, Bolsonaro aproveitou a eleição presidencial nos Estados Unidos, que será concluída nesta terça-feira e na qual seu aliado Donald Trump buscará a reeleição, para apontar riscos de ingerência de potências estrangeiras no Brasil.

"É inegável que as eleições norte-americanas despertam interesses globais, em especial, por influir na geopolítica e na projeção de poder mundiais. Até por isso, no campo das informações, há sempre uma forte suspeita da ingerência de outras potências no resultado final das urnas", escreveu o presidente.

"No Brasil, em especial pelo seu potencial agropecuário, poderemos sofrer uma decisiva interferência externa, na busca, desde já, de uma política interna simpática a essas potências, visando as eleições de 2022", acrescentou.

O presidente também aparentou insinuar, mais uma vez sem dar detalhes ou apresentar quaisquer evidências, que resultados eleitorais que deram vitórias a candidatos de esquerda na América do Sul aconteceram por causa de ingerências externas. Também voltou a apontar o que afirma ser uma cobiça internacional sobre a Amazônia.

"Não se trata apenas do Brasil. Devemos nos inteirar, cada vez mais, do porquê, e por ação de quem, a América do Sul está caminhando para a esquerda", afirmou.

"Nosso bem maior, a liberdade, continua sendo ameaçado. Nessa batalha, fica evidente que a segurança alimentar, para alguns países, torna-se tão importante e aí se inclui, como prioridade, o domínio da própria Amazônia."

O presidente dos EUA, Donald Trump, de quem Bolsonaro é declaradamente admirador e para quem o presidente brasileiro já disse torcer na disputa eleitoral contra o democrata Joe Biden, questionou por diversas a votação por correio nos EUA, ao afirmar, sem apresentar provas, de que é sujeita a fraudes, e já indicou que pode judicializar o resultado da eleição.

No passado recente, Bolsonaro também questionou a lisura da votação eletrônica no Brasil e afirmou ter provas --embora jamais as tenha apresentado-- de fraude na eleição presidencial de 2018 que, alegou, o impediram de vencer já em primeiro turno.