Bolsonaro diz que 'Brasil sairá vitorioso'; e Lula destaca 'dia especial para a História'

Os dois candidatos à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já votaram no segundo turno das Eleições, na manhã deste domingo.

O presidente Bolsonaro (PL) chegou para votar, às 7h45, antes da abertura dos portões de sua zona eleitoral, na Vila Militar, em Deodoro. Ele foi o primeiro a votar no local e vestia a mesma blusa usada no primeiro turno. Ele saiu do local às 8h10 e seguiu para o Aeroporto Internacional do Galeão para receber os jogadores do Flamengo, que voltaram do Equador com a taça de campeão da Libertadores.

Eleições 2022: O segundo turno da votação pelo Brasil; acompanhe

Acompanhe os resultados: Apuração do segundo turno das Eleições 2022 ao vivo

Bolsonaro chegou acompanhado de seguranças e foi cercado por apoiadores ao se aproximar dos portões do local de votação. Não estava com familiares. Sua mulher, a primeira-dama Michelle Bolsonaro também votou na manhã deste domingo, no Distrito Federal, usando uma camisa em homenagem a Israel.

Saiba mais: Quem não votou no primeiro turno pode votar no segundo?

Segundo turno eleições 2022: Horário, local e como justificar o voto

— Expectativa de vitória, só temos boas notícias nos últimos dias. Se Deus quiser, sairemos vitoriosos hoje à tarde. Ou melhor, o Brasil vai sair vitorioso hoje à tarde — afirmou Bolsonaro.

Já Lula votou pouco depois das 9h, em seu berço político, São Bernardo do Campo, no ABC paulista. O petista, que vestia branco, manteve a tradição que existe desde 1989 e foi às urnas na Escola Estadual Firmino Correia de Araújo.

Lula votou acompanhado da mulher, Rosângela da Silva, a Janja, do candidato a vice Geraldo Alckmin (PSB), do candidato do PT ao governo de São Paulo, Fernando Haddad (PT), da deputada federal eleita Marina Silva (Rede) e do deputado federal André Janones (Avante-MG).

— Para mim é um dia gratificante e para muita gente será um dia muito especial para a História do Brasil — disse o petista, cercado por aliados, apoiadores e gritos de "Lula lá".