Devemos botar ponto final em abuso de outro Poder, diz Bolsonaro em comício

Bolsonaro faz comício em Belém

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), disse nesta sexta-feira, durante comício em Divinópolis (MG), que é preciso colocar um "ponto final" no que chamou de abuso de outro Poder, em uma nova ameaça indireta ao Judiciário a nove dias do primeiro turno das eleições.

"Vocês sabem que vocês estão tendo cada dia mais a sua liberdade ameaçada por outro Poder, que não é o Poder Executivo. E nós sabemos que devemos botar um ponto final nesse abuso que existe por parte de outro Poder", disse.

A despeito de as pesquisas mostrarem que está atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro voltou a dizer que vai vencer a corrida eleitoral no primeiro turno, que seus apoiadores são maioria e que após a eleição todos terão de jogar dentro das quatro linhas, porque há limites. "O meu governo sempre jogou dentro das quatro linhas da Constituição. Em havendo a reeleição, todos --sem exceção-- jogarão dentro das quatro linhas da Constituição. Ninguém é dono de nada aqui, eu não mando na Presidência da República, eu tenho limites. O prefeito aqui não manda na cidade, tem limites", disse.

"Assim é dentro de cada Poder, ninguém manda na República a não ser o nosso povo e a vontade desse povo se fará presente após as eleições em toda a sua plenitude", emendou. Em várias oportunidades, Bolsonaro tem se referido às quatro linhas em meio a críticas contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

BANDIDOS

Bolsonaro também disse que o Brasil tem bandidos no lugar da oposição.

"Hoje nós não temos uma oposição, nós temos bandidos que querem o mal da sua população e nós vamos derrotar este pessoal nas urnas agora no próximo dia 2 de outubro", disse Bolsonaro no interior de Minas Gerais.

O presidente participou antes de uma motociata e teria outros eventos na cidade. Ele tem intensificado agendas no Sudeste como forma de tentar diminuir a distância do ex-presidente Lula, segundo fontes da campanha à reeleição.