Bolsonaro diz que buscará aprovar lei de regularização fundiária em 2021

Por Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que pretende aprovar no próximo ano uma nova legislação sobre a regularização fundiária no país de forma a dar uma resposta às críticas recebidas pelo governo de que não estaria agindo de forma satisfatória no combate às queimadas e ao desmatamento.

"Pretendemos o ano que vem conseguir o que não conseguimos este ano quando se fala em meio ambiente conseguir para todos aqui a regularização fundiária do nosso país de modo que podemos aqui bem levar a termo e dar uma satisfação às questões daquilo que nos acusam, que é desmatamento e incêndio, que em grande parte é apenas potencializado porque está em jogo sim uma guerra comercial em todo o mundo", disse Bolsonaro em discurso no Paraná.

Apesar de ser defendida por apoiadores do projeto como uma das soluções para o combate ao desmatamento, uma vez que identifica ocupantes de áreas na Amazônia, a regularização fundiária é criticada por ambientalistas, que apelidaram o projeto de "MP da grilagem" por, segundo eles, legalizar terras ocupadas ilegalmente e incentivar desmatamentos de terras públicas.

Em cerimônia de Inauguração da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Bedim em Renascença, no Paraná, Bolsonaro também afirmou que o governo vai concluir em breve um estudo a fim de acelerar liberações ambientais de empreendimentos de forma que o Brasil possa dar um salto na questão da geração de energia.

Sem mostrar evidências que sustentem, o presidente repetiu que o Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente. "Ninguém no mundo --eu desconheço-- tem fontes de energia limpa como nós temos. Pega os países mais críticos a nós, que participam da União Europeia, as suas críticas são completamente infundadas, em especial quando falam da nossa região amazônica", disse.

Na solenidade no Paraná, o presidente e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, exaltaram a parceria com o governo do Paraná nas questões energéticas. Nenhum dos dois, contudo, falou sobre a situação do Amapá, Estado da região Norte que há quatro dias passa por um apagão de energético que deixou a maior parte da população se energia elétrica.