Bolsonaro diz que foram encontradas 'vísceras humanas' nas buscas por desaparecidos na Amazônia

O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta segunda-feira (13), que "foram encontradas boiando no rio vísceras humanas" durante as buscas pelo jornalista britânico Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira, desaparecidos há uma semana na Amazônia.

As declarações de Bolsonaro ocorreram em meio a anúncios contraditórios sobre a suposta descoberta de dois corpos, o que gerou grande confusão sobre o caso.

"As buscas continuam. Agora, os indícios levam a crer que fizeram alguma maldade com eles, porque já foram encontradas boiando no rio vísceras humanas que já estão em Brasília para fazer o DNA", disse Bolsonaro em entrevista à CBN Recife.

"Pelo prazo, pelo tempo já temos hoje, 8 dias, indo para o nono dia que isso aconteceu, vai ser muito difícil encontrá-los com vida. Peço a Deus que isso aconteça, mas os informes, indícios, levam ao contrário", acrescentou.

Anteriormente, a família de Dom Phillips disse que tinha sido informada da descoberta de dois corpos, mas estava aguardando sua identificação.

"Sabemos que encontraram dois corpo, mas estamos esperando uma confirmação da Polícia Federal se são os corpos de Dom e Bruno", disse à AFP em Londres Dominique Davies, sobrinha do jornalista.

No entanto, a Polícia Federal (PF) não confirmou ter encontrado nenhum cadáver e reiterou em um comunicado que estavam sendo analisados "materiais biológicos" e objetos pessoais dos desaparecidos, encontrados nos dias anteriores.

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (UNIVAJA), que participa das buscas, também negou que dois corpos tenham sido encontrados.

- Um detido -

Phillips, de 57 anos, e Pereira, de 41 anos, foram vistos pela última vez no domingo, 5 de junho, enquanto viajavam pela região do Vale de Javari, no extremo-oeste do estado do Amazonas, na fronteira com Peru e Colômbia.

O jornalista, autor de dezenas de reportagens sobre a Amazônia, estava preparando um livro sobre conservação ambiental e Pereira o acompanhava como guia por esta região remota onde atuam traficantes de drogas, madeireiros e pescadores ilegais.

O especialista, que já fez parte da Funai e é ativo defensor destas comunidades, recebeu ameaças de grupos criminosos que costumam invadir as terras protegidas para explorar seus recursos.

Autoridades encontraram no domingo objetos pessoais de ambos, como roupas, sapatos e também um cartão de saúde de Pereira.

Segundo os bombeiros, os pertences foram encontrados submersos nas proximidades da casa do único suspeito, Amarildo da Costa Oliveira, detido por posse de arma e de drogas.

Testemunhas afirmaram depois que o viram passar de lancha em alta velocidade e na mesma direção que Phillips e Pereira pouco antes do desaparecimento.

Em sua embarcação foi encontrado um rastro de sangue, que está sendo analisado.

- U2 se soma à pressão -

O desaparecimento de Phillips e Pereira suscitou uma onda de solidariedade internacional e novas críticas contra o governo de Jair Bolsonaro, acusado de incentivar as invasões de terras indígenas e de sacrificar a preservação da Amazônia para sua exploração econômica.

A banda britânica U2 se somou nesta segunda-feira à pressão para encontrá-los, como já tinham feito o cantor Caetano Veloso e o rei do futebol, Pelé.

"Estamos esperando saber o que aconteceu com estes homens corajosos", tuitou a banda junto de um cartaz em vermelho e preto que tem circulado nas redes sociais nos últimos dias, com a pergunta "Onde estão Dom Phillips e Bruno Pereira?".

Dezenas de indígenas protestaram nesta segunda-feira, exigindo uma resposta sobre os desaparecidos em Atalaia do Norte, cidade com cerca de 20.000 habitantes próxima do local das buscas.

Além de pedir justiça para Pereira e Phillips, exibiram cartazes contra Bolsonaro e seus projetos de limitar a demarcação de terras indígenas no país e permitir o garimpo nestas áreas protegidas.

mel/app/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos