Bolsonaro diz que governo federal poderá suspender dívidas de estados

Gustavo Maia
Bolsonaro em encontro com empresários na Fiesp

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta segunda-feira que poderá conceder perdão de dívidas a estados por conta da crise provocada pelo novo coronavírus. Bolsonaro afirmou, no entanto, que precisará consultar, antes, o ministro da Economia, Paulo Guedes.

- A gente pode suspender pagamentos de dívidas de outros Estados, mas tem que ouvir o Paulo Guedes_ disse ao deixar o Palácio da Alvorada.

No domingo, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu o pagamento da dívida do governo do estado de São Paulo com a União por causa da epidemia.

A decisão vale para os próximos 180 dias, o que pode postergar o pagamento de cerca de R$ 7,2 bilhões aos cofres públicos federais. Hoje, o governo de João Doria (PSDB) teria de pagar R$ 1,2 bilhão à União, referente ao prazo final da parcela de março.

Bolsonaro defendeu a edição da Medida Provisória que permitiu a flexibilização de regras trabalhistas no contexto da pandemia. Segundo Bolsonaro, a MP amplia as possibilidades de regime de trabalho alternativo para evitar demissões.

- Quem está na informalidade, não consegue sobreviver 4 dias sem seu sustento - disse o presidente. - Ninguém tá demitindo ninguém.