Bolsonaro diz que governo não tem como pagar precatórios agora

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta quarta-feira que o governo não tem como pagar os precatórios previstos para 2022 e cobrou que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), coloque em pauta a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata do assunto quando ela chegar naquela Casa.

Em entrevista à recém-lançada emissora de TV Jovem Pan News, Bolsonaro afirmou que não vai haver rompimento do teto de gastos --apesar das mudanças feitas na PEC no cálculo do teto para abrir espaço fiscal, no que foi considerado um subterfúgio por economistas-- mas que o governo precisa atender as pessoas que estão passando fome no país.

Bolsonaro disse ainda que tem dificuldades em passar projetos no Senado, mesmo depois de aprovados na Câmara, e que Pacheco é o "dono da pauta".

A PEC dos Precatórios, no entanto, não foi nem mesmo aprovada ainda na Câmara dos Deputados. A previsão inicial do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), era de colocar em pauta na terça, mas a pressão da oposição dificultou as negociações. Lira prometeu a votação para esta quarta.

Para ser aprovada, a PEC precisa do voto de 308 deputados em duas votações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos