Bolsonaro diz que Guedes fica em caso de reeleição, mas admite pressão por troca

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia no Palácio do Planalto
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro garantiu nesta segunda-feira que o ministro da Economia, Paulo Guedes, ficará no governo no caso de reeleição, mas admitiu que há pressão pela troca do ministro.

"Com toda certeza sim. Depende dele. Eu vejo ele às vezes cansado, que é natural, é um ministro que no passado era muito trocado na Economia", disse o presidente em entrevista ao canal Terraviva.

"De vez em quando alguns querem que eu troque ele para resolver certos assuntos. Eu prefiro conversar com ele e dentro daquela lealdade mútua que temos, mudar algumas coisas e prosseguir nessa linha."

Ao mesmo tempo, Bolsonaro pôs na conta do ministro da Economia uma solução para a questão da alta dos combustíveis. Guedes vem sendo apontado pela ala política do governo, preocupada com a reeleição, como o principal responsável hoje por não ter se conseguido implementar uma medida que evitasse a alta.

Preocupado com o teto de gastos, Guedes é contra a implementação de um fundo que subsidie o preço dos combustíveis.

"O Paulo Guedes espero que nos próximos dias resolva a questão dos combustíveis no tocante a impostos pelo Brasil. Ele já se mostrou favorável a isso, tem trabalhado para isso e espero que nos próximos dias, nessa semana mesmo, tenhamos uma boa notícia sobre preço dos combustíveis no Brasil", disse Bolsonaro.

NOVOS MINISTÉRIOS

Durante a entrevista, Bolsonaro prometeu ainda a criação de novos ministérios no caso de ser reeleito em outubro. Segundo ele, está sendo analisada a criação novamente do Ministério da Segurança Pública, em uma divisão do Ministério da Justiça, e o Ministério da Indústria e Comércio.

Esse segundo, que foi incorporado à Economia a pedido de Guedes, é uma cobrança do centrão, que quer voltar a ocupar a pasta.

Bolsonaro disse ainda que analisa também a recriação do Ministério da Pesca, que existia durante o mandato de Dilma Rousseff.

O presidente argumentou que, dada a extensão territorial do Brasil, a criação de mais ministérios ajudaria a melhor administrar o país. Ele afirmou, ao mesmo tempo que, por se tratar de um ano eleitoral e pelo fato da recriação das pastas exigir a criação de novos cargos, não seria possível fazer isto ainda neste mandato, apenas em caso de reeleição.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos