Bolsonaro diz que 'lamenta pelo pior' no caso de desaparecidos no AM

BRASÍLIA, DF, 07.06.2022 - O presidente Jair Bolsonaro participa de  Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto. No evento o presidente fez duras críticas ao STF. (Foto: Gabriela Bilo/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 07.06.2022 - O presidente Jair Bolsonaro participa de Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto. No evento o presidente fez duras críticas ao STF. (Foto: Gabriela Bilo/Folhapress)

LOS ANGELES, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta quinta-feira (9) que as chances de encontrar o indigenista Bruno Araújo Pereira e o jornalista inglês Dom Philips diminuem a cada dia e que lamenta "pelo pior", embora peça a Deus para que estejam vivos.

"Não tenho notícia do paradeiro deles. A gente pede a Deus para que sejam encontrados vivos, mas a gente sabe que a cada dia que passa essas chances diminuem", afirmou o mandatário em Los Angeles, onde participa da Cúpula das Américas.

"Agora, eles entraram numa área, não participaram a Funai [Fundação Nacional do Índio]. Tem um protocolo a ser seguido, e naquela região normalmente você entra escoltado. Foram para uma aventura. A gente lamenta pelo pior", disse.

"Desde o primeiro dia, quando foi dado o sinal de alerta, a Marinha entrou em campo e, no dia seguinte, as Forças Armadas e a Polícia Federal. Tem quase 300 pessoas nessa procura, dois aviões, helicópteros, barcos", afirmou Bolsonaro, em meio às críticas pela demora nas buscas.

Em resposta às pressões, o mandatário afirmou, em uma rede social, existirem "oportunistas [que] só querem se promover com o caso".

O indigenista e o jornalista inglês desaparecerem no último domingo (5), quando transitavam pelo Vale do Javari rumo à cidade de Atalaia do Norte (AM).

O governo foi criticado pela omissão das autoridades e pela falta de uma força-tarefa dedicada à operação de busca. A Terra Indígena Vale do Javari é frequentemente alvo de invasões de garimpeiros ilegais.

Bolsonaro já havia minimizado o episódio e classificado como "aventura não recomendada" a viagem dos dois pelo oeste do estado do Amazonas. Phillips estava realizando uma cobertura jornalística e contava com o apoio de Pereira.

Pouco depois da declaração em Los Angeles, a conta oficial do presidente no Twitter publicou que as Forças Armadas, o Ministério das Relações Exteriores e a Polícia Federal, entre outros órgãos, estão trabalhando nas buscas "de forma intensa" desde segunda.

"Mais de duas centenas de militares foram mobilizados para solucionar o caso o quanto antes", afirmou.

"Instruí meus auxiliares a não se distraírem com narrativas midiáticas para que possam concentrar todas as energias no monitoramento dos trabalhos e nas buscas. Esses oportunistas só querem se promover com o caso. Nós queremos solucioná-lo e levar conforto aos familiares", acrescentou.

Também nesta quinta, a chefe da embaixada Britânica no Brasil, Melanie Hopkins, afirmou que seu governo vem dando apoio à família de Phillips neste momento que ela chamou de angustiante e cobrou apoio do governo à investigação do caso.

"Estamos profundamente preocupados que o jornalista britânico Dominic Phillips e o indigenista Bruno Pereira ainda não tenham sido encontrados", afirmou Hopkins.

"Entendemos que a localização remota da região impõe desafios logísticos consideráveis e já solicitamos ao governo brasileiro que faça todo o possível para apoiar a investigação do caso. Agradecemos a assistência prestada até o momento", completou.

O presidente Bolsonaro terá um encontro com o presidente dos EUA, Joe Biden, durante a Cúpula das Américas.

Na última terça-feira (7), a liderança indígena Sonia Guajajara, coordenadora da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), se encontrou com o assessor especial dos Estados Unidos, John Kerry, e criticou a ação do governo Bolsonaro no caso até então.

A Polícia Federal afirmou nesta quinta que encontrou vestígio de sangue no barco de Amarildo, pescador conhecido como Pelado e que, segundo testemunhas, seguiu o indigenista e o jornalista antes de eles sumirem.

"A prisão temporária já foi requerida e o material coletado está a caminho de Manaus", disse a PF. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Amarildo.

Pelado foi preso nesta semana, mas sem relação direta com o desaparecimento. Ele foi abordado na comunidade de São Gabriel --onde os dois foram avistados pela última vez-- em razão da identificação de sua lancha, mas preso em flagrante com munição de fuzil e calibre 16, que são de uso restrito.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos