Bolsonaro diz que mandou mensagem para o 'presidente Biden' e promete 'aproximação'

Victor Farias e Daniel Gullino
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira em entrevista à Band que mandou mensagem ao presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, e que pediu ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para fazer a comunicação oficial do reconhecimento do governo brasileiro ao democrata.

— Alguns minutos antes de entrar no ar eu já dei um "start" para o nosso ministro Ernesto Araújo, para ele fazer essa comunicação nossa, nas redes oficiais do governo. Depois, nas minhas redes particulares. Posso te mandar agora aqui, desligando o telefone, qual foi a mensagem que eu mandei para o presidente Biden. Da minha parte, e da parte dele com toda certeza, o americano é pragmático, nós vamos fazer um trabalho de cada vez mais aproximação — disse.

Em uma rede social, Bolsonaro mandou saudações a Biden e disse que está disposto a trabalhar com o novo governo, dando continuidade à "construção de uma aliança Brasil-EUA, na defesa da soberania, da democracia e da liberdade em todo o mundo, assim como na integração econômico-comercial em benefício dos nossos povos".

Na entrevista, o presidente brasileiro fez elogios a Donald Trump, que permanece no cargo até o começo do ano que vem. O republicano, no entanto, ainda não reconheceu a derrota para Joe Biden e afirma que as eleições foram fraudadas, apesar de não haver evidências nesse sentido.

— Eu espero que tudo dê certo com o Biden, agora, já que os delegados reconheceram lá que ele realmente foi eleito. Não vamos discutir mais a questão se houve ou não uma eleição tranquila. Não cabe mais eu falar absolutamente mais nada. Esperei o reconhecimento e nós aqui já fizemos o comunicado, agora há pouco, ao presidente Joe Biden — comentou Bolsonaro.

Na segunda-feira, delegados dos 50 estados americanos ao Colégio Eleitoral confirmaram a vitória do democrata Joe Biden na eleição para a Presidência dos Estados Unidos. O processo, que geralmente é uma mera formalidade, ganhou atenção neste ano devido às ações judiciais em que o republicano contestava sua derrota.