Bolsonaro diz que, mesmo com alta, não vai tabelar ou congelar o preço da carne

RIO - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira numa rede social que não vai tabelar ou congelar o preço da carne, que subiu bastante neste fim de ano. Ele reconheceu o aumento dos preços e o atribuiu ao aumento das exportações.

— O pessoal anda reclamando do preço da carne, com razão. Subiu. Com nossas andanças pelo mundo, [os países] começaram a comprar mais da gente. Começa-se a vender mais, tem menos para botar na prateleira. Infelizmente isso acontece — afirmou Bolsonaro. — Mas não posso agora querer tabelar, congelar o preço da carne. Não vou fazer, nossa política é de mercado aberto.

Segundo Bolsonaro, "não podemos aqui tomar medidas que não deram certo em nenhum lugar do mundo, como exportar menos para abastecer o mercado interno. É a livre concorrência."

O presidente disse ainda já ter falado sobre o assunto com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e que espera que a situação se normalize em breve.

— Conversei hoje com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e ela acha que tudo volta à normalidade em três ou quatro meses. Porque o produtor, o pecuarista, está buscando meios de aumentar sua produtividade para atender à demanda externa e interna.