Bolsonaro diz que mudança de embaixada para Jerusalém 'não está decidida'

JOELMIR TAVARES E TALITA FERNANDES
1 / 1

Bolsonaro diz que mudança de embaixada para Jerusalém 'não está decidida'

Bolsonaro diz que mudança de embaixada para Jerusalém 'não está decidida'

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta terça-feira (6) que a mudança da Embaixada do Brasil em Tel Aviv para Jerusalém não está decidida ainda.

A declaração foi feita após o cancelamento de um compromisso diplomático com o Brasil pelo Egito, em aparente retaliação ao plano, que alimentou temores de boicote comercial.

"Pelo que eu vi, é questão de agenda [do governo egípcio]. Acho que seria prematuro um país anunciar uma retaliação sobre uma coisa que não está decidida ainda", disse Bolsonaro após visita à Marinha, em Brasília, ao ser indagado sobre o cancelamento e possíveis retaliações ao Brasil.

A ideia de transferir a embaixada para Jerusalém foi proposta na campanha eleitoral para acenar ao governo de Israel e ao eleitorado evangélico que se alinha a ele. Na quinta (1º), foi anunciada pelo presidente eleito em entrevista a um jornal israelense e em seu canal oficial, provocando reações adversas entre representantes árabes e diplomatas.

Nesta segunda (5), o Egito cancelou a visita do chanceler Aloysio Nunes Ferreira, programada para começar nesta quarta (7) e se estender até domingo (11), com uma delegação de empresários brasileiros que já chegou ao país. 

O Cairo alegou problema de agenda, mas mudanças abruptas são incomuns no protocolo diplomático. Diplomatas ligaram a decisão a uma carta enviada pela Liga Árabe à Embaixada do Brasil no Cairo na qual lamenta as declarações do presidente eleito sobre a transferência da embaixada. 

Em entrevista na segunda à Band News, Bolsonaro contemporizou, dizendo que a mudança não se tratava de "questão de honra", mas defendeu a soberania israelense na cidade. Ele voltou a dar a resposta nesta terça: "Não é um ponto de honra essa decisão. Agora, quem decide onde é a capital de Israel é o povo, o Estado de Israel. Se eles mudaram de local...".

O tema havia irritado o presidente eleito mais cedo. Ao ser questionado a respeito do cancelamento pelos egípcios, pediu: "Não, outro assunto, outra pergunta aí".

Com a insistência dos repórteres, repetiu a solicitação para mudar de assunto —em vão— e anunciou que iria embora, dando as costas aos jornalistas e interrompendo a entrevista improvisada na saída do Ministério da Defesa.

Israel ocupa Jerusalém Oriental, de população majoritariamente árabe, e reivindica Jerusalém como capital única e indivisível para negociar um acordo de paz com os palestinos —que, por sua vez, exigem a porção oriental como capital de um futuro Estado.

A ONU defende que Jerusalém seja considerada cidade internacional dada a sua importância nas três grandes religiões monoteístas (judaísmo, islamismo e cristianismo).

Por isso, todas as embaixadas ficam em Tel Aviv, onde está parte da estrutura administrativa de Israel. As exceções são os EUA (que sob Donald Trump transferiram sua embaixada para Jerusalém em maio, sob celeuma) e a Guatemala, que seguiu o aliado.

A decisão de imitar o americano e acenar ao governo de Binyamin Netanyahu, manifestadamente simpático a Bolsonaro, pode ter custo.

O Brasil é grande fornecedor de carne halal (cujo abate e manuseio segue os preceitos do islã) para países muçulmanos, os quais respondem por 45% da carne de frango e 40% da carne bovina que o país exporta. 

O movimento do Egito —único país árabe, com a Jordânia, a manter relações com Israel— pode indicar um primeiro sinal, em consonância com os demais países da Liga Árabe, para um eventual boicote, embora medidas mais drásticas não tenham sido mencionadas.