Bolsonaro diz que não precisa de 'cartinha' para defender democracia

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, nesta quinta-feira (27), que não precisa de "cartinha" para dizer que defende a democracia. Apesar de não ter citado, a declaração ocorre em resposta ao manifesto de empresários e integrantes da sociedade civil em defesa do Estado Democrático de Direito.

"Vivemos país democrático, defendemos democracia, não precisamos de nenhuma cartinha para dizer que defendemos a democracia", afirmou o mandatário em discurso na convenção nacional do PP, que oficializou apoio à sua campanha.

"[Para] Dizer que queremos cumprir e respeitar a Constituição, não precisamos então de apoio ou sinalização de quem quer que seja para mostrar que nosso caminho é a democracia, a liberdade, respeito à Constituição", completou.

Como mostrou a coluna da Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, a "Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito" já angariou 100 mil adesões em menos de 24 horas após ser aberta ao público.

O documento, que começou com a assinatura de 3.000 pessoas, entre banqueiros, empresários, juristas, atores e diversas outras personalidades, será lançado em evento na Faculdade de Direito da USP, em São Paulo, no dia 11 de agosto.

O texto defende os tribunais superiores, as eleições e a democracia contra ataques e afirmações golpistas de Bolsonaro.

A mobilização ocorreu após o encontro no Palácio da Alvorada com embaixadores estrangeiros, em que o mandatário lançou dúvida sobre o sistema eleitoral.

O evento do PP ocorreu no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados. Bolsonaro foi andando, do Planalto, acompanhado da primeira-dama, Michelle, do ministro Ciro Nogueira (Casa Civil) e Fábio Faria (Comunicações).

Durante o trajeto, ele fora questionado por jornalistas sobre o manifesto e respondeu brevemente: "Manifesto político".

Até este momento, o único integrante do governo a comentar publicamente a carta havia sido Nogueira. Ele atribuiu a adesão de banqueiros ao manifesto a perda de receita com o Pix.

Antes de discursar no evento, Bolsonaro foi precedido por Arthur Lira (PP-AL), que rompeu o silêncio de 9 dias e defendeu o sistema eleitoral brasileiro. "A Câmara dos Deputados fala quando é necessário falar, não quando querem obrigá-la a falar. Eu dei mais de 20 mensagens mundo afora e internas no Brasil de que sempre fui a favor da democracia e de eleições transparentes e confio no sistema eleitoral", disse Lira.

O ministro-chefe da Casa Civil citou Carlos Lacerda em seu discurso, e disse que as pessoas voltaram a ter orgulho de se dizer de direita e conservadores com a eleição de Bolsonaro.

Nogueira criticou ainda o toma lá dá cá e quesitonou como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) governaria, se a base aliada eleger 370 deputados. Hoje bolsonarista, Nogueira e o PP foram aliados e participaram das gestões petistas.

"O nosso país precisa de um comandante. Eu sei que alguns pensam em fazer do nosso país, vou dizer até, uma ucranização. É isso que querem fazer com o nosso país", disse Nogueira.

"Porque no caso da eleição do ex-presidente, nós vamos ter um Congresso de mais de 370 deputados aliados ao presidente Bolsonaro. Olha as concessões que haverá de fazer para construir a sua base. O senhor construiu a sua base não através toma lá da cá", completou.

No evento, o PP oficializou apoio à reeleição de Jair Bolsonaro. O mandatário estava ao lado de Ciro Nogueira, Lira, e do deputado Cláudio Cajado.

Ao fundo do palco, havia uma imagem de Bolsonaro e de lideranças do partido: Nogueira, Lira, Cajado, Fábio Faria (Comunicações), Tereza Cristina (PP-MS), Ricardo Barros (PR) e André Fufuca (MA).

O clima era de campanha eleitoral. Em um telão, passou um vídeo do presidente com o jingle "capitão do povo" e imagens de motociatas e até da facada. O slogan "Pelo bem do Brasil" também acompanhava o material da convenção.

O auditório estava cheio, apesar de o Congresso estar em recesso parlamentar. O PP é hoje a segunda maior bancada da Câmara, com 57 deputados -- atrás do PL, com 77, e à frente do PT, com 56. No Senado, são oito parlamentares da legenda.

O próprio presidente já pertenceu ao PP por mais de dez anos. O partido era um dos que Bolsonaro cotava se filiar para disputar as eleições deste ano, mas acabou optando pelo PL de Valdemar Costa Neto

Líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR) destacou o crescimento das bancadas do partido no Congresso -- o que garante, além de maior fatia do Fundo Partidário, peso político para negociar com Executivo, seja quem estiver no Planalto.

"Nós estamos buscando crescer suficiente para sermos força imprescindível para a governabilidade", resumiu Barros.

O deputado também falou sobre aprovação dos projetos para reduzir o preço dos combustiveis e a PEC dos bilhões, que atropela as leis sobre eleições e contas públicas para permitir ao governo turbinar benefícios sociais a menos de três meses da eleição.

A medida ampliou Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600 até o final do ano. Também duplicou o auxílio Gás, e criou vale para caminhoneiros e taxistas.

Um dos motivos foi justamente por considerar que o PP já era suficientemente governista, com Ciro Nogueira na Casa Civil. Naquele momento, Bolsonaro considerou ser mais importante amarrar o PL na sua coligação.

A adesão do PP ao governo foi um dos principais movimentos que garantiu sustentação ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

Ele apoiou a eleição de Lira à presidência da Casa. O deputado, por sua vez, não deu seguimento a nenhum dos mais de 100 pedidos.

Arthur Lira e Ciro Nogueira estiveram presentes na primeira fileira da convenção nacional do PL que oficializou a candidatura de Bolsonaro à Presidência, no último domingo (24).

Os dois vestiam uma camisa polo azul com o nome de Bolsonaro e o número de urna do PL, 22.

Lira foi exaltado pelo chefe do Executivo por três vezes em seu discurso.

"Cabra da peste" e "irmão de longa data" foram alguns dos termos usados pelo presidente para qualificar o aliado.

A aliança do governo com o PP consolidou aproximação com o centrão, que garantiu estabilidade para o governo, no momento em que patinava no Congresso e era alvo de dezenas de pedidos de impeachment, todos eles travados por Lira.

No primeiro ano da gestão de Bolsonaro, quando ainda era apenas líder do PP, ele se posicionava de forma crítica ao governo. Aos poucos, foi se aproximando, em especial com a consolidação das RP9, chamadas de emendas de relator.

Em 2021, Lira chegou à presidência da Câmara como o candidato de Bolsonaro, derrotando o escolhido para sucessão de Rodrigo Maia, Baleia Rossi (MDB-SP).

"Está aqui o presidente Arthur Lira, um enorme aliado nosso, tem colaborado muito com o governo. Graças a ele conseguimos aprovar leis que vieram a baixar o preço dos combustíveis", disse também o mandatário neste domingo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos