Bolsonaro diz que não tem apoio da classe artística por mudanças na Lei Rouanet

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Jair Bolsonaro fez críticas à Lei Rouanet e ao fato de a maioria da classe artística não apoiar seu governo, em entrevista ao apresentador Carlos Massa, o Ratinho, em seu programa de rádio e televisão, que vai ao ar nesta terça-feira.

— Quando eu assumi algumas personalidades do meio artístico podiam pegar até R$ 10 milhões por ano da Lei Rouanet e ninguém prestava conta de nada. Mas nós, quando assumimos, mudamos para R$ 1 milhão e eu achei caro ainda. Daí chegou o Mário Frias e baixou pra R$ 500 mil, além de ter colocado critérios — disse o presidente, referindo-se ao secretário de Cultura de seu governo.

A informação foi antecipada pelo site Metrópoles.

Sobre pesquisas eleitorais:

"No meu entender existe algum interesse disso tudo. por isso lutamos dentro do tse para que as eleições sejam realizadas sem sombra de irregularidade"

Doria:

"Não fazia diferença (sobre saída de Doria). Ele tava na casa do 1%, dificilmente teremos terceira via", disse o presidente.

O presidente ainda falou sobre as eleições gerais, Petrobras e a Lei Rouanet,

Bolsonaro também respondeu a perguntas sobre a urna eletrônica e se participará ou não dos debates.

Bolsonaro também foi questionado se temia ou não sofrer um novo atentado, como o cometido contra ele por Adélio Bispo em 2018.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos