Bolsonaro diz que não vê prevaricação em caso Covaxin: 'Só se aplica a servidor público'

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Após a Polícia Federal abrir inquérito para apurar se houve prevaricação na caso da compra da vacina Covaxin, Jair Bolsonaro disse nesta segunda feira que este tipo de crime se aplica a servidor público e não a ele como presidente. Afirmou ainda que, se houvesse alguma irregularidade, ele incorreria no crime de responsabilidade. Em entrevista a jornalistas após uma visita ao Supremo Tribunal Federal, Bolsonaro disse ainda que não interfere na PF.

— O que eu entendo é que a prevaricação se aplica ao servidor público, não se aplicaria a mim. Mas, qualquer denúncia de corrupção, eu tomo providência. Até o do Luís Lima (sic), mesmo conhecendo toda a vida pregressa dele e atual dele, eu conversei com o Pazuello — disse Bolsonaro, referindo-se na verdade ao deputado Luis Miranda (DEM-DF).

As suspeitas de prevaricação de Bolsonaro foram levantadas pelo parlamentar que disse em entrevistas e em depoimento à CPI da Covid que avisou ao presidente que superiores de seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, teriam feito “pressões atípicas” para que ele liberasse a importação da vacina. Miranda disse que, ao ser informado do caso, Bolsonaro afirmou que iria acionar a Polícia Federal. No entanto, a PF abriu inquérito para investigar o caso somente após as denúncias dos irmãos Miranda virem à tona.

Mais uma vez, Bolsonaro disse que ao conversar com Miranda em março repassou as informações para o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Segundo ele, não foi constada irregularidade. Bolsonaro voltou afirmar que não tem como ver o que acontece em 22 ministérios, mas disse que "no meu entender não aconteceu nada de errado lá." O presidente disse ainda que deu ordem para Pazuello só comprar vacina com após a autorização da Anvisa.

Questionado por que, apesar de ter sido acionado por Luís Miranda sobre as suspeitas de irregularidades em março, a Polícia Federal só passou a investigar o caso há 12 dias, Bolsonaro disse que não manda na instituição.

— Eu não mando na Polícia Federal, pessoal. Alguns acham que tem como colocar cabresto na PF, não tem. Se tivesse como botar o Lula teria botado, a Dilma também. Afinal, grande parte das investigações vêm da Polícia Federal e meu governo continua a mesma coisa Não tem como interferir na PF — disse o presidente.

Bolsonaro também afirmou que, por ora, não tomará nenhuma providência sobre o líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), citado por Luis Miranda por envolvimento nas negociações suspeitas da Covaxin.

— Ele vai depor dia 20. Ele depondo, a gente conversa logo depois. Eu tenho que dar um crédito para ele até que provem que ele tem alguma culpa em algum lugar. Ele vai depor e após o depoimento dele, eu vou conversar com ele novamente — disse o presidente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos