Bolsonaro diz que pode atender Receita, mas que não tem nada definido sobre reajuste de servidor

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Jair Bolsonaro
    38.º presidente do Brasil
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.12.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento do programa Rodovida 2022. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.12.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento do programa Rodovida 2022. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, nesta sexta-feira (24) no Palácio da Alvorada, que pode atender pleito da Receita Federal, mas que reajuste aos demais servidores segue sem definição.

"Reajuste é outra questão. Temos um teto [de gastos] rígido, infelizmente. Gostaria de conceder, mas continuo conversando com a equipe econômica para ver o que a gente pode fazer. Os servidores tiveram uma reforma previdenciária, inflação de 10%, então está bastante difícil a situação deles", disse.

Bolsonaro ressaltou que os recursos reservados ao reajuste de servidores no Orçamento de 2022 devem atender categorias mais prejudicadas.

"No Orçamento [de 2022] foi reservado R$ 2 bilhões para atender uma ou outra categoria mais prejudicada. Mas o que eu ouvi é que preferem não ter ninguém do que ter para alguns poucos. Vamos ver como fica, nada está definido nesta questão", afirmou.

O presidente destacou que ainda não definiu quais categorias terão reajuste.

"[Sobre] os R$ 2 bilhões, vai ser decidido para quem ir. Pode ser para parte do pessoal da Receita, pode ser para os policiais rodoviários federais, penais, ou para ninguém. Ou dar menos de 1% para todo mundo. Deixa acalmar aí um pouquinho que a gente toma a melhor decisão", afirmou.

Nos últimos dias, auditores fiscais da Receita Federal entregaram cargos de chefia após o Congresso aprovar previsão de reajuste para policiais federais no Orçamento de 2022.

O Sindifisco (sindicato dos auditores) estima que mais de 500 servidores já abriram mão de cargos comissionados em protesto.

Outras carreiras do Executivo federal começaram a se queixar do aumento previsto para policiais. Entre elas estão os funcionários do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e do BC (Banco Central), além de peritos médicos e auditores agropecuários.

Em relação à desoneração da folha de pagamentos, Bolsonaro reafirmou que deve sancionar a medida, além da isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de táxi.

"Deram uma bobeada no Orçamento, mas vai ser sancionado, quero é solução. Não quero saber quem é o responsável não. Não interessa em que condições. Fiz uma reunião com os 12 setores, inclusive de vocês da imprensa, e foi acertado", afirmou.

O relator da proposta do Orçamento de 2022, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), deixou de prever recursos para prorrogar a desoneração da folha de pagamento de 17 setores. Só estão alocados valores para pagar o resquício da execução do programa em 2021.

A desoneração acabaria no fim deste ano. Após pressão do empresariado, no entanto, o Congresso aprovou a prorrogação até 2023. A medida ainda não foi sancionada por Bolsonaro.

O presidente também manifestou novamente a intenção de vetar a liberação de jogo no Brasil, caso o tema seja aprovado pelo Congresso, mas ressalvou ter a impressão de que há votos para derrubar esse eventual veto.

"Pretendo vetar a questão dos jogos no Brasil, acho que não estamos maduros para avançar nessa questão ai. Só tem muita gente que defende, se eu vetar e derrubar o veto, vamos respeitar", completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos