Bolsonaro diz que pode fechar nesta 4ª-feira com PL, mas quer acertar candidaturas em São Paulo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Presidente Jair Bolsonaro
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou que deve bater o martelo nesta quarta-feira para filiação ao PL, mas que ainda precisa acertar com o presidente do partido, Valdemar Costa Neto, a situação em São Paulo, onde quer ter candidato a governador e senador.

"Hoje vou conversar com Valdemar Costa Neto e acho que devemos bater o martelo. Só tem um pequeno detalhe que envolve São Paulo, que tem 30 milhões de eleitores, é segundo maior PIB do país, depois da União", disse em uma entrevista a uma rádio do Espírito Santo. "Se eu vier a disputar a reeleição quero ter candidato ao governo de São Paulo, ao Senado e uma bancada de indicados (a Câmara). Falta acertar esse pequeno detalhe com o Valdemar, que acredito que acerte hoje."

O detalhe é um acerto prévio do PL com o atual vice-governador, Rodrigo Garcia, que será o candidato do PSDB ao governo do Estado. Aliado de Dória, o vice-governador está longe de ser o candidato dos sonhos de Bolsonaro.

Além de levar para o PL sua candidatura à reeleição, Bolsonaro leva a intenção de colocar nomes seus em diretórios e candidaturas-chave. São Paulo, maior colégio eleitoral do país, é central nessa estratégia.

Bolsonaro tinha, inicialmente, a ideia de colocar o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, como candidato a governador, mas recentemente o nome do ministro está sendo cotado para uma candidatura ao Senado por Goiás, e nenhum outro nome bolsonarista foi ventilado até agora.

O presidente, no entanto, quer garantir uma vaga ao Senado para o ex-ministro Ricardo Salles, apesar da própria resistência do indicado, que preferia ser candidato a deputado estadual.

Desde o início das negociações com partidos, Bolsonaro deixou claro seu interesse por uma base mais forte no Senado para um eventual segundo mandato --hoje, é nesta Casa que tem parado a maior parte dos projetos de interesse do presidente, que não tem controle nenhum do que deveria ser sua base de apoio.

"A gente vai ter que nos entender, compor com os que têm do PL. O que nós queremos é ter uma boa bancada de senadores no país todo", disse Bolsonaro. "É importantíssimo ter uma boa bancada de senadores e também de deputados."

Se de fato fechar com o PL, a previsão é que Bolsonaro assine a ficha no partido no próximo dia 22.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos