Bolsonaro diz que presos políticos foram tratados 'com toda a dignidade' durante ditadura militar

·1 minuto de leitura
O presidente Jair Bolsonaro durante o lançamento do plano nacional de vacinação contra a covid-19 no Palácio do Planalto em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro, admirador da ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, disse neste sábado (19) que o ex-chefe de um centro de prisão e tortura do regime tratou os presos políticos "com toda a dignidade".

"Não era preso político, não, [os] terroristas eram tratados no DOI-Codi [o centro de detenção da ditadura] de São Paulo, com toda a dignidade, inclusive as presas grávidas", disse em uma entrevista realizada por seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, no YouTube.

Bolsonaro referia-se ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe da repressão na metrópole no início dos anos 1970 e acusado de cerca de 70 mortes e desaparecimentos, segundo dados da Comissão Nacional da Verdade.

Bolsonaro reivindica a herança repressiva e chegou a lamentar que o número de mortos tenha se limitado aos 434 oficialmente reconhecidos.

raa/lda/aa