Bolsonaro diz que revogou decreto sobre privatização de Unidades Básicas de Saúde

Daniel Gullino
·2 minuto de leitura
Bolsonaro participa de homenagem ao Dia do Servidor Público no Palácio do Planalto
Bolsonaro participa de homenagem ao Dia do Servidor Público no Palácio do Planalto

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que revogou o decreto que autorizava a equipe econômica a preparar modelo de privatização para unidades básicas de saúde (UBS). O anúncio foi feito em uma rede social. De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, a revogação será publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Apesar de anunciar a revogação, Bolsonaro defendeu o decreto. O presidente afirmou que faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal nas UBS e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e que o "espírito do decreto" era terminar obras e "permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União".

"Temos atualmente mais de 4.000 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 168 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) inacabadas. Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal. O espírito do Decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União", escreveu Bolsonaro.

O decreto, publicado na terça-feira, autorizava a equipe econômica a preparar modelo de privatização para UBS. A medida incluiu a política de fomento ao setor de atenção primária à saúde no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Presidência da República.

O texto previa a "elaboração de estudos de alternativas de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de Unidades Básicas de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios." A medida foi vista com desconfiança por alguns gestores locais, que enxergaram uma tendência de privatização das unidades.

Na manhã desta quarta, após a repercussão negativa, a Secretaria-Geral afirmou que a medida "não apresenta qualquer decisão prévia, pois os estudos técnicos podem oferecer opções variadas de tratamento da questão".

Também nesta quarta, o Ministério da Economia informou que a inclusão dos postos de saúde no PPI foi feita a pedido do Ministério da Saúde. A avaliação do governo, argumentou a pasta, é de que é preciso incentivar a participação da iniciativa privada no sistema de saúde.