Bolsonaro diz que tem 20% no STF com as indicações de Mendonça e Nunes Marques

·1 min de leitura

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira que as suas duas indicações ao Supremo Tribunal Federal (STF), André Mendonça e Kássio Nunes Marques, representam 20% do que gostaria que fosse votado no STF.

— Hoje em dia não mando nos dois votos do Supremo, mas tem dois ministros que representam, em tese, 20% daquilo que gostaríamos que fosse decidido e votado dentro do Supremo Tribunal Federal — declarou Bolsonaro na cerimônia de lançamento do auxílio-gás, no Palácio do Planalto.

Com a indicação do ministro Nunes Marques, o titular do Palácio do Planalto chegou a afirmar em novembro que tinha "10%" dele dentro da Corte. Agora, com a aprovação de Mendonça para ocupar cargo de ministro no STF, Bolsonaro afirmou que as ''duas pessoas marcam a renovação do Supremo''.

Mais cedo, a nomeação do ex-advogado-geral da União foi publicada no Diário Oficial, um dia depois da sua aprovação no Senado Federal. A data para nomeação de Mendonça está marcada para o dia 16 de dezembro.

A agenda do futuro ministro da Corte foi agitada nesta quinta-feira. Primeiro, Mendonça chegou a ir ao Palácio do Planalto para ''dar um abraço'' no Bolsonaro, quando descobriu, por jornalistas, que o chefe do Executivo estava no Rio de Janeiro.

Logo em seguida, o ex-AGU visitou o presidente do STF, ministro Luiz Fux. No encontro, que durou pouco mais de uma hora, os dois magistrados conversaram sobre detalhes da posse, cujo formato ainda não foi definido. O cerimonial do Supremo irá avaliar a possibilidade de uma posse presencial, mas não está descartada a hipótese de que a cerimônia ocorra em formato híbrido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos