Bolsonaro diz que vai tirar Brasil de conselho de Direitos Humanos da ONU

Renato S. Cerqueira/Futura Press

Na mesma semana em que os Estados Unidos deixaram o Conselho de Direitos Humanos da ONU, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) declarou que, caso seja eleito, também vai tirar o Brasil do órgão.

Segundo o portal Uol, durante evento em Campina Grande, na Paraíba, o deputado federal repetiu diversos argumentos utilizados pelo presidente norte-americano, Donald Trump, para justificar o rompimento com o conselho. Um deles seria o suposto apoio do órgão a “regimes condenáveis”.

Embora aprove o endurecimento da política migratória dos EUA, disse ser contra a separação de pais e filhos na fronteira do país.

Homenagem a Ustra

Bolsonaro também teceu elogios ao coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, morto em 2015, que confessou ter torturado e assassinado militantes de esquerda durante o período da ditadura militar.

Para o deputado, Ustra teve “papel decisivo” no combate a quem roubou o país. Ele também disse que, no período, o mundo vivia em guerra, com a União Soviética de um lado e os Estados Unidos do outro. “Guerra é guerra”, minimizou.