Bolsonaro e Guedes pedem a supermercados para segurarem preços. Vendas do setor caíram 1,4% em abril

As vendas do comércio brasileiro perderam fôlego e cresceram só 0,9% em abril, contra 1,4% em março, segundo dados divulgados pelo IBGE na manhã desta sexta-feira. Mas o setor de supermercados e hipermercados viu as vendas encolherem em 1,4% no mês passado.

Nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em videoconferência com empresários do setor supermercadista, fizeram um apelo por uma “trégua nos preços”. Guedes pediu que os empresários “apertem os cintos”.

Privatização da Eletrobras: Vai reduzir a conta de luz? Entenda os impactos para o consumidor

Controle de preços: 'Tem que pedir à Rússia para não invadir a Ucrânia', ironiza economista

Com a disparada nos preços dos alimentos, os supermercados têm obtido desempenho pífio este ano. A receita nominal do setor subiu, por causa da inflação. Mas o volume de vendas está patinando.

Antes da queda de 1,4% em abril, o setor já tinha registrado estabilidade em março. Antes, teve um crescimento de só 1% em fevereiro e de só 0,1% em janeiro.

As vendas no comércio varejista como um todo têm perdido fôlego ao longo de 2022.

- Os quatro meses do ano foram positivos, mas vêm em trajetória decrescente: de 2,4% em janeiro para 0,9% em abril – afirmou o gerente da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE, Cristiano Santos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos