Bolsonaro é 'saco de pancadas' em debate sobre pandemia no Parlamento Europeu

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Bolsonaro foi considerado o grande culpado pela crise brasileira na pandemia (AP Photo/Eraldo Peres)
Bolsonaro foi considerado o grande culpado pela crise brasileira na pandemia (AP Photo/Eraldo Peres)
  • Parlamentares europeus não pouparam críticas a Bolsonaro por sua gestão do combate à pandemia

  • Presidente foi acusado de agir deliberadamente e efetuar uma "gestão criminosa"

  • Os ataques aconteceram no dia em que o Brasil superou os 400 mil mortos por Covid-19

No dia em que o Brasil superou as 400 mil mortes por Covid-19, Jair Bolsonaro (sem partido) foi alvo de duras críticas no Parlamento Europeu. Em debate sobre a crise do vírus na América Latina, o presidente foi considerado o principal responsável pelos números da doença no país.

O deputado espanhol Miguel Urban Crespo acusou Bolsonaro de efetuar uma “gestão criminosa” da pandemia no Brasil. “Em vez de fazer guerra com o vírus, ele faz guerra com a ciência”, declarou o político. “Faz necropolítica e lesa a humanidade.”

Leia também

A deputada alemã Anna Cavazzani foi na mesma linha, considerou que a tragédia no Brasil poderia ter sido evitada e acusou o presidente e agir de forma deliberada.

“Bolsonaro, desde o começo, se recusou a tomar medidas com base científica. Encorajou manifestações de massa, questionou a vacinação, foi à Justiça contra governadores que decretaram medidas de confinamento, e quase 400 mil pessoas estão mortas”, disse.

“Não foi erro, mas irresponsabilidade deliberada. O tempo e o povo vão julgá-lo”, concordou a portuguesa Isabel Santos, que destacou ainda “o mais irracional negacionismo de Bolsonaro”.

Brasil ultrapassou as 400 mil mortes por Covid-19 (Andressa Anholete/Getty Images)
Brasil ultrapassou as 400 mil mortes por Covid-19 (Andressa Anholete/Getty Images)

Foram muitas as críticas, incluindo as palavras do espanhol Jordi Solé, que acusou o presidente de “transformar o país em uma incubadora de novas cepas”, e da basca Izaskun Bilbao, que afirmou que “Bolsonaro ajuda o vírus a matar”.

Os deputados que participaram do debate desta quinta-feira pediram que a União Europeia aumente a colaboração com o combate ao vírus na América Latina. Além da compra e distribuição de vacinas nos países americanos, querem acabar com a desinformação sobre a pandemia.

Brasil chega a 400 mil mortes

Enquanto Bolsonaro era criticado no Velho Continente, o Brasil ultrapassou nesta quinta-feira os 400 mil mortos por Covid-19 desde o inicio da pandemia.

Nos últimos 36 dias, foram registradas 100 mil mortes. Isso significa que uma de cada quatro mortes pela Covid-19 no Brasil desde o início aconteceram nesse período.