Bolsonaro encurta vantagem de Lula, que mantém liderança entre eleitores, aponta Datafolha

O presidente Jair Bolsonaro encurtou para 11 pontos percentuais a distância na intenção de voto em relação ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera as pesquisas a 23 dias das eleições, divulgou o Instituto Datafolha nesta sexta-feira (9).

Lula (PT) manteve 45% das intenções de voto para as eleições de 2 de outubro, enquanto Bolsonaro (PL) subiu de 32% para 34%, segundo o Datafolha.

Apesar de tratar-se de um cenário de "estabilidade", por ser um movimento dentro da margem de erro da pesquisa (+/- dois pontos percentuais), os números refletem a diferença mais estreita entre os dois candidatos desde maio de 2021.

A pesquisa também aponta para uma maior possibilidade de definição em um segundo turno, previsto para 30 de outubro.

Na pesquisa anterior, publicada em 2 de setembro, a diferença nas intenções de voto entre os dois adversários era de 13 pontos percentuais: Lula tinha 45% e Bolsonaro, 32%.

O apoio a Bolsonaro cresceu nos últimos meses, encurtando a distância para Lula, que em maio chegou a liderar por 21 pontos percentuais.

Levando em conta os votos válidos (sem brancos ou inválidos), Lula teria 48% das intenções de voto e Bolsonaro, 36%, também em alta desde o levantamento anterior.

O ex-presidente petista afirmou nesta sexta-feira, durante encontro com a imprensa no Rio de Janeiro, que não tem "nenhuma preocupação" com o crescimento do adversário.

"Toda eleição que eu disputo eu quero ganhar no primeiro turno. E eu acho que se tiver segundo turno, nós vamos ganhar", declarou Lula. "Eu gosto dos dois turnos", acrescentou.

Em um eventual segundo turno, Lula teria 53% das intenções de voto, contra 39% para o atual presidente, segundo o Datafolha.

A nova pesquisa, realizada nos dias 8 e 9 de setembro, acontece após os atos protagonizados por Bolsonaro na quarta-feira, nas comemorações do bicentenário da Independência do Brasil, quando o presidente reuniu dezenas de milhares de apoiadores em Brasília e no Rio de Janeiro.

Opositores o acusam de transformar o desfile militar de 7 de setembro em palanque de campanha, o que está sendo investigado pela justiça eleitoral.

Apesar das grandes manifestações, a rejeição ao governo de Bolsonaro (42%) se manteve estável em relação à semana passada.

A pesquisa Datafolha também aponta para um enfraquecimento de uma possível terceira via. Ciro Gomes (PDT) segue em terceiro com 7% das intenções de voto, seguido de Simone Tebet (MDB), com 5%.

O governo Bolsonaro aumentou desde agosto o valor do Auxílio Brasil de 400 para 600 reais, um programa que ajuda 20,2 milhões de famílias vulneráveis.

Além disso, registrou dois meses consecutivos de queda nos preços no varejo: -0,68% em julho e -0,36% em agosto.

O Instituto Datafolha entrevistou 2.676 pessoas em 191 cidades brasileiras.

mls/gm/am