Bolsonaro estava 'meio triste' em evento militar, diz Mourão

Em evento do último sábado (26), vice-presidente sugeriu que mandatário tirasse fotos com apoiadores, mas Bolsonaro não reagiu. (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)
Em evento do último sábado (26), vice-presidente sugeriu que mandatário tirasse fotos com apoiadores, mas Bolsonaro não reagiu. (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)
  • Mourão disse que Bolsonaro parecia “meio triste” em primeira aparição pública após derrota;

  • Bolsonaro foi à cerimônia da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, no sábado (26);

  • No dia, Mourão pediu que Bolsonaro tirasse fotos e falasse “com seu povo”, mas presidente nada fez

O vice-presidente e senador eleito Hamilton Mourão (Republicanos - RS) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) estava “meio triste” durante participação em cerimônia da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende (RJ), realizada no último sábado (26).

Foi o primeiro evento público do mandatário após a derrota nas eleições presidenciais deste ano.

No evento, câmeras mostram o momento em que Mourão pede que Bolsonaro tire fotos com os apoiadores dele que estavam no local. O chefe do Executivo permanece calado durante toda a cerimônia.

“Falei pra ele que tinha aquela porção de gente que queria tirar foto com ele e pedi para ele: "vai lá, tira foto com o povo, pô". Só isso aí”, relatou Mourão, ao deixar a Vice-Presidência no início da tarde. As informações são do Jornal O Globo.

Sobre a falta de resposta, o vice-presidente disse que Bolsonaro “estava meio triste”.

Mourão recebeu o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) nesta terça-feira (29).

Bolsonaro não participa da transição e Mourão disse que “está bom” dessa forma. “Está tudo andando”, garantiu.

Nesta terça, o chefe do Executivo foi ao Palácio Planalto, sede do governo federal, pela quarta vez após perder as eleições no dia 30 de outubro.

Na semana passada, ele esteve duas vezes no Palácio do Planalto. Antes disso, foi ao local no dia 3 de novembro, quando recebeu, para um breve cumprimento, o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB).

Desde o fim do pleito, Bolsonaro tem evitado eventos públicos e recebido poucos aliados. Enquanto isso, apoiadores dele seguem realizando acampamentos em frente a quartéis do Exército pelo País e protagonizando atos antidemocráticos que questionam o resultado das eleições.