Bolsonaro evoca 'guerra do bem contra o mal' em discurso na Marcha para Jesus

São Paulo, SP, BRASIL, 09-07-2022: Presidente Jair Bolsonaro participa da Marcha para Jesus em São Paulo - Após três anos, a Marcha para Jesus 2022 volta no formato tradicional, com concentração na Estação da Luz, passando pelo corredor das avenidas Tiradentes e Santos Dumont e fim na Praça Campo de Bagatelle, onde ocorrerão as falas dos líderes evangélicos e os shows de artistas gospel. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
São Paulo, SP, BRASIL, 09-07-2022: Presidente Jair Bolsonaro participa da Marcha para Jesus em São Paulo - Após três anos, a Marcha para Jesus 2022 volta no formato tradicional, com concentração na Estação da Luz, passando pelo corredor das avenidas Tiradentes e Santos Dumont e fim na Praça Campo de Bagatelle, onde ocorrerão as falas dos líderes evangélicos e os shows de artistas gospel. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) evocou mais uma vez a "guerra do bem contra o mal" e expurgou "as dores do socialismo" na maior das Marchas para Jesus do país, a de São Paulo.

"Temos uma posição aqui: somos contra o aborto, contra a ideologia de gênero, contra a liberação das drogas e somos defensores da família brasileira", disse o pre-candidato à reeleição neste sábado (8), no trio principal do evento.

Após ver uma multidão ajoelhada nas ruas do centro paulistano, Bolsonaro clamou pela maioria cristã do país. "Somos a maioria do país, a maioria do bem, e nessa guerra do bem contra o mal o bem vencerá outra vez."

Em seguida, o presidente alertou os fiéis sobre um suposto risco de o Brasil virar uma nação pintada de vermelho socialista. "Que nosso povo não experimente as dores do socialismo", afirmou, pedindo que as pessoas olhassem ao redor da América do Sul. Citou Venezuela e também países que, nos últimos anos, elegeram líderes de esqueça: Argentina, Chile e Colômbia. "Não queremos isso para o nosso Brasil."

"Estamos aqui para declarar que Jesus Cristo é o Senhor de São Paulo e do Brasil", iniciou assim a Marcha seu idealizador, o apóstolo Estevam Hernandes. Ele apresentou Bolsonaro como "esse homem escolhido por Deus" e abençoou a vida do presidente, de sua família e de seus ministros.

Bolsonaro subiu por volta das 10h no trio, com uma comitiva política que incluiu Tarcísio de Freitas, seu candidato a governador paulista, e o deputado Marco Feliciano, ambos do PL de SP. O ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles também estava lá.

O presidente foi à sua primeira Marcha para Jesus em 2018. Já ocupava, então, a cabeceira na corrida pelo Palácio do Planalto, mas ainda não era unanimidade entre os grandes líderes evangélicos do país. Muitos só embarcaram na sua campanha depois.

O líder da Marcha para Jesus disse ao jornal Folha de S.Paulo, na época, que a Bolsonaro faria bem em "pregar mais amor e tolerância". Hoje aliado do presidente, Hernandes diz pensar diferente. Afirmou ao jornal nesta semana que, após conhecer o chefe do Executivo, sentiu que era um homem de Deus.

Em 2019, Bolsonaro se tornou o primeiro ocupante do Palácio do Planalto a passar neste que é o maior evento do calendário evangélico do continente. Discursou sobre "um problema seríssimo de moral, ética e economia" que, a seu ver, florescia no Brasil.

As duas edições seguintes da marcha caíram por conta da pandemia. Em vez de povo caminhando na rua, a organização optou por carreatas, mas sem a dimensão original nem a presença de autoridades, que costumam bater ponto no evento sobretudo em ano eleitoral.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos