Bolsonaro exclui jornal de licitação de periódicos para governo federal

Isabella Macedo

BRASÍLIA — Após ameaçar cortar a assinatura do jornal "Folha de S. Paulo" da lista de periódicos que o governo federal recebe, o presidente Jair Bolsonaro excluiu o veículo de um edital para renovar as assinaturas de jornais e revistas da administração federal. No fim do mês passado, o presidente afirmou em entrevista que "nenhum órgão aqui do meu governo vai receber o jornal "Folha de S. Paulo" aqui em Brasília. Está determinado".

O edital publicado nesta quinta-feira prevê um gasto de R$ 194.393,64 para acesso on-line de jornais e revistas. Entre os periódicos nacionais e regionais estão os jornais O GLOBO, "Valor Econômico", "O Estado de São Paulo" e os internacionais "The New York Times" e "The Wall Street Journal", além das revistas Época, "Veja", "Time" e "The Economist".

Na justificativa, o edital menciona a necessidade das assinaturas para fornecer "subsídios fundamentais para a tomada de decisões da Presidência da República, além de possibilitar a tempestiva produção de contrarrespostas, tendo em vista que as ações deste órgão são continuamente matérias de divulgação ampla na mídia nacional.

A afirmação de que não receberia mais a "Folha" foi feita por Bolsonaro em 31 de outubro, exatamente uma semana após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cancelar as assinaturas dos jornais "The New York Times" e "The Washington Post" na Casa Branca. Poucas horas depois, em transmissão ao vivo pelo Facebook, Bolsonaro também ameaçou os anunciantes do jornal.

— Não vamos mais gastar dinheiro com esse tipo de jornal. E quem anuncia na Folha presta atenção, tá certo?

Procurado, o Planalto não se manifestou sobre quais seriam os critérios para a exclusão do jornal. Ao chegar ao Palácio da Alvorada no fim da tarde de hoje, Bolsonaro pediu "retratação" ao veículo, mas também não falou sobre os critérios técnicos da decisão.

—- Eu quero pedir à Folha que retrate todos os males e calúnias que fez contra a minha pessoa — disse o presidente.