Bolsonaro: espalhai a inverdade, e a inverdade derrubará sua live

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRASILIA, BRAZIL - OCTOBER 22: President of Brazil Jair Bolsonaro gestures during a last minute press conference at the Ministry of Economy on October 22, 2021 in Brasilia, Brazil. Four key members of Guede's team had resigned on Thursday in disagreement with Bolsonaro's intention to increase public spending cap to fund welfare plans a year before presidential elections. In the last week, markets and Brazilian currency sank on fears spending cap may be jeopardized. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Foto: Andressa Anholete (Getty Images)

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

Era o que dizia um certo candidato que em 2018 prometia colocar o Brasil acima de tudo, e Deus acima de todos. Deve ter sido o único versículo bíblico que decorou durante a vida.

Inspirado por João 8:23, na manhã desta segunda-feira 25 queria escrever sobre algumas verdades. Algumas dolorosas. 

A deterioração do quadro econômico tem levado pessoas a disputar ossos para o jantar.

O princípio da insignificância abarrota as cadeias e corredores jurídicos com gente acusada de roubar miojo e outros itens para matar a fome.

O número de miseráveis triplicou entre 2020 e 2021.

Os cortes nas bolsas de pesquisa.

A disparada do dólar.

A alta dos preços.

Verdades. Todas elas documentadas, verificadas, registradas em imagens. Resultados de um governo e sua equipe de ególatras que perdeu o eixo, o norte, o crédito.

Mas quero hoje falar de uma mentira.

No tiroteio de relatórios de CPI e o avanço forçado da agenda positiva do Auxílio Brasil, o que furou o teto de gastos e deixou investidores em pânico, Jair Bolsonaro associou, em sua live de quinta-feira, a vacinação contra o coronavírus com o risco de infecção de HIV, a síndrome da imunodeficiência humana popularmente conhecida como Aids

Justo agora que o número de mortes e internações por covid estão caindo no país. Justamente no momento em que a vacinação avança.

A associação foi feita quando o presidente leu uma suposta notícia baseada em supostos relatórios oficiais do Reino Unido. Bolsonaro foi prontamente desmentido pela Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), que repudiou a notícia falsa com uma "associação inexistente".

Por sorte (ou azar), a declaração repercutiu menos do que acontecia quando o presidente da República era digna de crédito. Hoje, quando absurdo do tipo chega aos ouvidos do público, a reação natural é minimizar: “ah, relaxa, é só mais uma bobagem dita pelo Bolsonaro. Só os fanáticos acreditam no que esse pobre homem diz”.

A decisão de ignorar esses fanáticos, os mais energizados e mais mobilizados nas ruas e nas redes sociais, são outros 500. Fica para uma próxima conversa.

A notícia hoje é outra. A notícia é que, por conta da associação falaciosa do presidente, tirada do Instituto Bolsonaro de Bobagens Torturadas (IBBT), o Facebook precisou DERRUBAR a live de quinta-feira. No dia seguinte foi a fez do YouTube fazer o mesmo.

Em mais um vexame para a lista, um dos poucos canais do capitão —avesso a entrevistas para prestar contas de atos, ações, pensamentos e omissões— com a população simplesmente saiu do ar porque o ele usou o espaço para espalhar mentiras.

Segundo a plataforma, Bolsonaro feriu as políticas do Facebook e do Instagram, que “não permitem alegações de que as vacinas de covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”.

Leia também:

Bolsonaro conseguiu transformar assim uma vergonha nacional em vergonha mundial. Não basta esfregar na cara de seus compatriotas o despreparo da principal autoridade do país no momento mais grave da nação. Tem que virar notícia mundo afora.

Desmoralizado, o autor da live poderá espernear agora dizendo que teve sua liberdade tolhida pela plataforma privada. Não se pode nem espalhar uma mentira baseada numa grande bobagem que o Facebook diz "noooooossa, vou te derrubar". 

Para testar a fidelidade de seus cães de guarda, Bolsonaro podia mandar seu ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a mostrar o dedo do meio agora para Mark Zuckerberg. 

Se liberdade é poder associar alhos com bugalhos e desmobilizar a própria população em tomar a única atitude correta neste momento da pandemia (se vacinar), podemos usar o mesmo método e dizer, com toda a liberdade livre das amarras do mundo real, que ler e ouvir o que Bolsonaro prega emburrece e produz mortandade de neurônios. Não tenho provas, mas tenho convicção.

Antes de espalhar mentiras, Bolsonaro poderia cumprir ao menos uma promessa de campanha e conhecer a verdade. Ela poderia libertá-lo das agruras dos processos que se avizinham pelos crimes imputados a ele pelo relatório da CPI da Pandemia.

Mas o bordão da campanha era outra fake news. Bolsonaro não se interessa pela verdade e a única liberdade que importa é a dele e de seus filhos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos