Bolsonaro fala em "sair na porrada" com líder da oposição em telefonema com Kajuru

·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Em um novo trecho da conversa com o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), divulgado nesta segunda-feira pelo parlamentar, o presidente Jair Bolsonaro chamou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento de criação da CPI da Covid, de "bosta" e levantou a possibilidade de "sair na porrada" com ele.

O trecho foi mostrado por Kajuru durante entrevista na Rádio Bandeirantes. Mais cedo, Bolsonaro, ao falar com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, pediu que o senador divulgue o restante da conversa que tiveram no sábado à noite. Kajuru então disse que não o fez para preservar o presidente e apresenta o diálogo na íntegra.

"Se você não participa (da CPI), daí a canalhada lá do Randolfe Rodrigues vai participar. E vai começar a encher o saco. Daí, vou ter que sair na porrada com um bosta desses", disse Bolsonaro a Kajuru no áudio gravado pelo senador.

O restante da conversa foi divulgado no início da tarde de domingo pelo senador em suas redes sociais. Kajuru classificou o diálogo de uma "conversa franca" com o presidente. Ele disse ainda que Bolsonaro sabia estar sendo gravado e que informou ao presidente que iria publicar a gravação 20 minutos antes de fazê-lo.

No telefonema, Bolsonaro cobra Kajuru para que o escopo da CPI seja ampliado para incluir governadores e prefeitos. Segundo Bolsonaro, a CPI seria "completamente direcionada" a ele e poderia terminar com um "relatório sacana".

"Olha só, o que você tem que fazer. Tem que mudar o objetivo da CPI, tem que ser ampla. Daí você vai fazer um excelente trabalho para o Brasil", afirma Bolsonaro a Kajuru. "Se mudar (o objeto da CPI), dez para você, porque nós não temos nada a esconder."

"Se não mudar, a CPI vai simplesmente ouvir o (ex-ministro da Saúde Eduardo) Pazuello, ouvir gente nossa para fazer um relatório sacana", disse o presidente no telefonema.

Mais cedo, a apoiadores, Bolsonaro criticou Kajuru por tê-lo gravado, mas em seguida disse que falou mais coisas além das que foram divulgadas pelo senador e afirmou que o parlamentar deve revelar o restante da conversa.

"Não é vazar. É te gravar. A gravação é só com autorização judicial. Agora, gravar o presidente e divulgar... E outra, só para controle, falei mais coisas naquela conversa lá. Pode divulgar tudo da minha parte, tá?", disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos