Bolsonaro fala em 'sopro de esperança' e Musk em preservação da Amazônia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente Jair Bolsonaro aproveitou o encontro com Elon Musk, nesta sexta (dia 20), para fazer um afago ao empresário. Disse que a compra do Twitter pelo bilionário é um "sopro de esperança" e que a parceria do governo brasileiro com sua empresa, a Starlink, vai mostrar a Amazônia para o mundo.

Especialistas dizem, porém, que a tecnologia da Starlink permite somente conexão remota e envio de fotos e vídeos, como qualquer troca de arquivos via Whatsapp, por exemplo.

Apenas o monitoramento – ou seja, o uso de sistemas que façam a interpretação das imagens captadas a partir de um profundo conhecimento da área – permite a preservação, afirmam.

Musk, o homem mais rico do mundo, e Bolsonaro participaram do evento "Conecta Amazônia", organizado pelo Ministério das Comunicações, no Hotel Fasano Boa Vista, na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo.

— O mais importante da presença dele é algo imaterial. Hoje em dia poderíamos chamar de mito da liberdade, aquilo que nos fará falta para qualquer coisa que porventura pensarmos no futuro. Quando se anunciou a compra no Twitter, foi como um sopro de esperança. O mundo todo passa por pessoas que querem roubar a liberdade de nós, e a liberdade é a semente para o futuro — disse Bolsonaro.

O presidente da República disse que ele vai ajudar a mostrar para o mundo a “verdade” sobre a Amazônia:

— Nós contamos com Elon Musk para que a Amazônia seja conhecida por todos no Brasil e no mundo, como ela é preservada por nós e quanto malefício causam aqueles que difundem mentiras sobre a região.

Na sequência, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, agradeceu a Musk, a quem chamou de "visionário”, e disse que o Brasil o ama.

Faria é um entusiasta do uso dos satélites de Musk para monitorar a Amazônia, apesar de especialistas dizerem que a tecnologia da empresa não permite esse tipo de supervisão.

Questionado sobre como pretende garantir que a operação da sua rede de satélites na Amazônia promova a proteção da floresta e também a privacidade dos dados coletados, Musk disse que a "Starlink tem uma forte política de privacidade":

— Fazemos encriptação. Mesmo que queiramos, não sabemos qual é a configuração digital. Se tornamos isso possível para nós, então é possível para os outros. E sobre preservar e proteger a Amazônia, você pode produzir muitas imagens e vídeos para tentar entender o que está acontecendo. Você precisa dessa conectividade para entrar no grau afetado.

O evento teve presença de vários empresários e executivos. O banqueiro André Esteves, controlador do BTG Pactual, levou ao encontro cerca de 40 estudantes da escola Inteli, mantida por sócios do banco.

Um dos jovens fez perguntas sobre como Musk faz para manter sua equipe e si mesmo motivados.

— Busque a explicação das coisas. É difícil ficar motivado sobre algo se você não sabe por que está fazendo. Explique por que um assunto é importante para você. O cérebro ignora coisas que não são importantes. Na SpaceX, na Tesla e na Neuralink, há missões claras para cada uma. Você está fazendo coisas que são realmente úteis para as pessoas? É sobre o quão útil você é. Tente isso, embora eu saiba que é difícil.

Leia também: INSS: trabalhador que atuou em 2 atividades ao mesmo tempo antes de junho de 2019 pode pedir revisão da aposentadoria

Dono da fabricante de veículos elétricas Tesla e da Space X, Musk também respondeu ao questionamento de um jovem sobre como a sociedade deve se preparar para o potencial contingente de desempregados a ser gerado pelo carro autônomo, o bilionário afirmou que, "embora contra intuitivo" a tecnologia gerará mais empregos do que os que eventualmente eliminaria.

— Estou confiante de que a Tesla terá uma solução de condução em que não precisará haver ninguém no carro daqui a um ano, e podemos estendê-lo para caminhões e outros veículos. Soa contra-intuitivo porque parece que muitas pessoas perderão seus empregos, como os motoristas de caminhões, por exemplo. Mas, na verdade, muitos mais empregos serão criados. Eles estarão manejando dez ou vinte caminhões de uma vez, em vez de um — completou ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos