Bolsonaro fala sobre extensão de auxílio emergencial: "Pergunta pro vírus"

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro gestures during the National Flag Day celebration at Planalto Palace in Brasilia, on November 19, 2020. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Jair Bolsonaro durante evento no Palácio do Planalto em 19 de novembro (EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Ao ser perguntado na noite desta terça (24) sobre uma possível prorrogação do auxílio emergencial, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que o questionamento deveria ser direcionado ao novo coronavírus.

“Pergunta pro vírus”, afirmou o presidente em conversa com apoiadores na chegada ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro disse que espera que não seja necessário prorrogar o auxílio, que tem fim previsto para dezembro, mas que "tem que esperar certas coisas acontecerem.”

Leia também

Ele também aproveitou para relembrar que nunca apoiou "essa ideia do confinamento" e que sempre defendeu a ideia de "isolamento vertical”, que é restrito a pessoas idosas ou que tenham problemas de saúde pré-existentes.

“Infelizmente a decisão coube aos governadores e prefeitos”, disse. “Se não fosse toda aquela quantidade de auxílios que nós fizemos no passado, entre eles o emergencial, realmente a economia teria quebrado no Brasil. Então a gente espera que não seja necessário e que o vírus esteja realmente de partida do Brasil.”

Na segunda (23), o ministro da Economia Paulo Guedes afirmou em evento virtual com investidores, Paulo Guedes afirmou que “do ponto de vista do governo, não existe a prorrogação do auxílio emergencial”.

“Evidente que há muita pressão política para isso acontecer, é evidente que tem muita gente já falando em segunda onda”, disse Guedes Nós estamos preparados para reagir qualquer evidência empírica. Se o Brasil tiver de novo 1 mil mortes (por dia), nós já sabemos como reagir.”