Bolsonaro faz apelo a setor de abastecimento para que reduza lucro sobre produtos da cesta básica

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Bolsonaro e Guedes participam de pronunciamento no Palácio do Planalto
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro fez um apelo nesta quinta-feira ao setor de abastecimento que "colabore um pouco mais" e reduza a margem de lucro sobre produtos da cesta básica.

Em viagem aos Estados Unidos para participar da Cúpula das Américas, Bolsonaro participou virtualmente do 2° Fórum da Cadeia Nacional de Abastecimento ABRAS - ESG.

"Então o apelo que eu faço aos senhores, para toda a cadeia produtiva, é para que os produtos da cesta básica, cada um, obtenha o menor lucro possível", disse, acrescentando saber que a margem de lucro já vem baixando, mas pedindo que seja ainda mais reduzida.

O presidente queixou-se, sem citar nomes, dos que fazem "afirmações não verdadeiras" que o colocam como o responsável pela alta da inflação.

Bolsonaro disse ainda que a reunião nesta quinta com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, será uma ocasião em que pretende mostrar a atratividade do Brasil ao norte-americano.

Também participante do evento, o ministro da Economia, Paulo Guedes, iniciou sua fala ecoando o apelo de Bolsonaro ao dizer que agora é o momento de frear a alta de preços de maneira voluntária “para o bem do Brasil”. Ele pediu que o empresariado brasileiro ajude a quebrar a cadeia inflacionária.

“Vamos dar uma trégua de preços, vamos confiar um pouco no Brasil, vamos apertar o cinto um pouquinho”, pediu Guedes aos representantes do setor de supermercados, defendendo que a tabela de preços de alimentos da cesta básica seja reajustada pelos empresários apenas em 2023.

O evento teve um momento de divergência entre Bolsonaro e o ministro da Economia, depois que Guedes afirmou que o foco da discussão deveria ser o corte de tributos porque o setor de alimentação já tem margem de lucro apertada.

"Vocês estão com a margem de lucro estreita, não é com vocês a conversa. A conversa é (reduzir) ICMS, IPI, nós reduzimos esses impostos", disse, pedindo apenas que os estabelecimentos parem de aumentar os preços.

Em seguida, Bolsonaro pediu a palavra para dizer que queria “discordar um pouquinho” de Guedes, voltando a pedir que os comerciantes baixem as margens de lucro.

"Se cada um baixar 1%, que seja, ajuda bastante a gente", afirmou.

Guedes, então, disse que quem tem voto é o presidente. "Eu estou pedindo para travar a alta, se ele está pedindo para baixar, quem tem voto é ele, vamos baixar, pessoal", afirmou.

Ao comentar as medidas para cortar tributos federais e estaduais sobre combustíveis, Guedes disse que o governo federal repassou quase meio trilhão de reais aos entes durante a pandemia e que está na hora de os governadores darem uma contribuição ao país.

“Será que eles não podem ajudar o Brasil um pouco? Dos 180 bilhões de reais em caixa que eles têm hoje, não podem adiantar um terço para a população?”, disse. “É a primeira vez que os Estados vão botar a mão no bolso, até agora eles só receberam.”

(Reportagem de Maria Carolina Marcello e Bernardo Caram)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos