Bolsonaro fica sabendo de tragédia em MG pela imprensa: 'Vou me inteirar para ver se a gente pode fazer alguma coisa'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA — BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro (PL) descobriu pela imprensa a ocorrência da tragédia em Capitólio, Minas Gerais, onde uma rocha se rompeu e desabou em cima de embarcações de passeio neste sábado. O acidente ocorreu no final da manhã, mas segundo o presidente a informação apenas chegou a seu conhecimento às 15h30, quando parou para falar com jornalistas em meio a um churrasco na capital federal.

Bolsonaro participa neste sábado da festa de aniversário do ministro-chefe da Advocacia-Geral da União, (AGU) Bruno Bianco, realizada no Lago Sul, bairro nobre de Brasília.

— Não estou sabendo. Aconteceu agora há pouco? Vou me inteirar para ver se a gente pode fazer alguma coisa. Se bem que, se puder fazer alguma coisa, pode ter certeza que o ministro correspondente, se tomou conhecimento, já está buscando como atenuar o problema, como na questão de Brumadinho, lamentavelmente no início de nosso governo —, disse o presidente aos jornalistas que aguardavam do lado de fora do festejo.

Um deslizamento de pedra atingiu três lanchas que estavam na região do cânion de Capitólio, em Minas Gerais, na manhã deste sábado. Até o momento, uma morte foi confirmada.

Segundo Bolsonaro, quando ficou sabendo do desastre de Brumadinho, em janeiro de 2019, o então ministro do Desenvolvimento Regional Gustavo Canuto e o ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque já estavam se dirigindo ao aeroporto, elogiando a atuação dos integrantes do governo.

— Tem mortes ou não? Foi um prédio? Ah, um cânion. Deslocou uma parede, tem um nome específico. [Bolsonaro assiste ao vídeo mostrado por um assessor] É uma fatalidade, realmente. A gente pode mandar, acabando aqui, entro em contato com a Marinha, já que é na água —, reagiu.

O presidente então, pediu para que seu ajudante de ordem ligasse para o comandante da Marinha, Garnier, e que desse prioridade ao ocorrido.

— Passa problema para Garnier, vê se pode comparecer [...] é uma coisa que a gente pode fazer com a Marinha, com toda certeza os bombeiros com Zema devem estar tomando providências para confortar familiares —, afirmou ainda.

O presidente ficou no churrasco até as 17h15, quando saiu em direção ao palácio da Alvorada. Outras autoridades, como a ministra Flávia Arruda e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também compareceram ao evento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos