Entenda a manobra política que Bolsonaro quer fazer para deixar o PSL

Aliados acreditam em fusão entre Patriotas e outro partido de menor expressão. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Uma manobra política é a alternativa estudada para fazer com que Bolsonaro deixe o PSL sem ser acusado de infidelidade partidária

  • Aliados e ‘núcleo duro’ do Bolsonarismo afirmam que fusão entre legendas é melhor saída para a crise

O presidente Jair Bolsonaro aposta em uma ‘manobra’ na Justiça Eleitoral para deixar o PSL sem a possibilidade de enfrentar uma acusação de infidelidade partidária. A fusão entre dois partidos ‘nanicos’ tem sido apontada como a melhor alternativa para sair da sigla presida por Luciano Bivar, diante da crise deflagrada desde quando o presidente pediu para um apoiador “esquecer o partido”.

A hipótese, segundo publicou o jornal O Globo, é unir o Patriotas a uma sigla de menor expressão. A análise feita pelo núcleo duro do presidente considera que caso a fusão dê certo, será possível que deputados do PSL migrem para a nova legenda sem o risco de perder o mandato por infidelidade partidária.

Os filhos do presidente, senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), têm conversado com dirigentes de outros partidos. A solução é vista com bons olhos, uma vez que dispensa o recolhimento de assinaturas para a oficialização.

Leia também

“Quando duas legendas se fundem, aos olhos da Justiça Eleitoral é como se surgisse um novo partido. Com isso, deputados poderiam vir para essa legenda sem necessidade de aguardar a abertura da janela de transferência. A criação de um novo partido, sem fusão, demoraria cerca de um ano, e não podemos esperar. No ano que vem, já temos eleições municipais”, disse um aliado de Bolsonaro, segundo o Globo.

A fusão levaria entre três e seis meses e que, apesar de incorporar uma legenda, o Patriota continuaria com o mesmo nome.

‘AFASTADO’

O presidente nacional do PSL, deputado federal Luciano Bivar, afirmou nesta quarta-feira (9) que Bolsonaro “já está afastado” do PSL, classificando a fala de Bolsonaro como “terminal”. Na terça (8), Bolsonaro orientou um apoiador que disse ser pré-candidato pelo partido em Recife (PE) a “esquecer” o partido.

“Esquece o PSL, tá ok?! Esquece”, disse Bolsonaro. Perguntado se o presidente deixará o partido e se já houve uma conversa sobre o assunto, Bivar respondeu: "A fala dele foi terminal, ele já está afastado. Não disse para esquecer o partido? Está esquecido".

Ainda na quarta-feira, aliados de Bolsonaro chegaram a afirmar que o presidente deixaria o partido. No entanto, no fim da tarde, Bolsonaro anunciou que por enquanto ficaria no partido, e comparou o atrito com “briga entre marido e mulher” no casamento.