Bolsonaro ganha Fóssil da Semana mesmo a 9.000 km da COP

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, BRASIL, 24.04.2020 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, BRASIL, 24.04.2020 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

GLASGOW, ESCÓCIA (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conquistou para o Brasil o "antiprêmio" Fóssil da Semana, concedido pela rede Climate Action aos países que, na avaliação da entidade, mais prejudicam as negociações climáticas na COP26, em Glasgow (Escócia).

Bolsonaro recebeu o agravo "pelo tratamento horrível e inaceitável aos povos indígenas", após criticar a ativista Txai Suruí, que na terça (2) discursou em Glasgow para dezenas de líderes mundiais, entre eles o premiê britânico Boris Johnson.

Bolsonaro não foi à COP para o encontro de líderes, que reuniu os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da França, Emmanuel Macron, e os premiês da Itália, Mario Draghi, e do Canadá, Justin Trudeau.

Enquanto isso, o brasileiro optou por se encontrar com políticos do partido de ultradireita Liga, na Itália, após participar da cúpula do G20.

Na quarta (3), em Brasília --a cerca de 9.000 km de distância do centro de eventos em que servidores de seu governo tentam reverter a imagem de vilão climático criada nas últimas duas COPs--, o presidente do Brasil atacou indígenas e, indiretamente, a paiter-suruí Txai, em conversa com seus seguidores.

"Estão reclamando que eu não fui para Glasgow. Levaram uma índia para lá --para substituir o [cacique] Raoni-- para atacar o Brasil. Alguém viu algum alemão atacando a energia fóssil da Alemanha? Alguém já viu atacando a França porque lá a legislação ambiental não é nada perto da nossa? Ninguém critica o próprio país. Alguém viu o americano criticando as queimadas lá no estado da Califórnia? É só aqui", queixou-se Bolsonaro, em frente ao Palácio da Alvorada.

Em seu discurso, Txai, 24, ressaltou os efeitos do aquecimento global, mencionou o assassinato de defensores do meio ambiente e defendeu a participação dos povos indígenas nas decisões da cúpula do clima. Ela é filha de Almir Suruí, 47, uma das lideranças indígenas mais conhecidas do país e duro crítico do governo Bolsonaro.

Na justificativa do Fóssil da Semana, a CAN diz que os ataques do presidente detonaram uma onda de agressões online contra a ativista. A ONG acrescenta que há evidências acumuladas de desrespeitos do governo brasileiro a direitos indígenas.

"Invasões de terras indígenas dispararam; A mineração de ouro selvagem está poluindo os cursos d'água, a intimidação é abundante e eles têm um vice-presidente que justificou negar água doce às aldeias atingidas por Covid porque 'os índios bebem dos rios'."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos