Bolsonaro hostiliza repórteres em Roma, e segurança agride jornalistas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Uma tentativa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de fazer neste domingo mais um passeio por Roma, como nos dois últimos dias, terminou em confusão após seguranças agredirem jornalistas brasileiros que acompanham a viagem. Bolsonaro também tratou de forma hostil os jornalistas. A TV Globo divulgou comunicado em que repudia a violência.

Os agentes agrediram repórteres com socos e empurrões, tomaram o celular de um deles e seguraram insistentemente as mochilas dos profissionais para tentar impedir que eles registrassem o passeio de Bolsonaro por uma das principais ruas do centro histórico da capital italiana.

Agentes italianos, cedidos pelo governo local, anfitrião do G-20, dão apoio à segurança de Jair Bolsonaro desde que ele desembarcou no país, na última sexta, dia 29.

o perguntar o motivo de o presidente não ter participado de alguns eventos do G-20 com outros líderes, o correspondente da Globo, Leonardo Monteiro, recebeu um soco no estômago e foi empurrado com violência por um segurança.

A imagem não mostra o momento do soco, por causa da confusão. Antes, o presidente havia sido hostil com o trabalho do repórter, como mostra o diálogo a seguir:

Leonardo: “Presidente, presidente. O cara tá empurrando, gente. Presidente, por que o senhor não foi de manhã no encontro do G20?”

Bolsonaro: “É a Globo? Você não tem vergonha na cara....”

Leonardo: “Oi, presidente, por que o senhor não foi de manhã nos eventos do G20?”

Bolsonaro: “Vocês não têm vergonha na cara, rapaz.”

Leonardo foi empurrado.

Leonardo: “Ei, ei, ei... o que é isso, tá maluco?”

Um jornalista do UOL afirmou que foi tentar filmar a violência contra os colegas e tentar identificar o agressor, mas o segurança o empurrou, o agarrou pelo braço para torcê-lo, e levou o celular. Instantes depois, o segurança jogou o aparelho num canto da rua.

Jornalistas da Folha de S. Paulo e da BBC Brasil também foram empurrados e ameaçados.

Não é possível saber se Bolsonaro assistiu às agressões nem identificar se os agressores eram policiais ou seguranças particulares.

No sábado, policiais italianos já tinham ameaçado jornalistas brasileiros que tentavam acompanhar o passeio de Bolsonaro pelas ruas próximas da embaixada, uma região sempre repleta de turistas.

A ação contra os jornalistas no início da noite deste domingo (hora de Roma) também atingiu acidentalmente apoiadores do presidente. Uma senhora que usava adereços da bandeira brasileira e gritava palavras de apoio a Bolsonaro foi jogada no chão pelos seguranças.

Os jornalistas começaram a perguntar ao presidente por que os seguranças estavam agredindo os profissionais. Ele parou, conversou um minuto com um dos agentes e decidiu retornar para a embaixada. A caminhada não durou mais de dez minutos.

Auxílio:

Ao contrário dos demais líderes dos países presentes na cúpula do G-20, Jair Bolsonaro não deu declarações à imprensa sobre a participação brasileira na cúpula, a primeira desde o início da pandemia.

A Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência não tinha informações sobre a agenda do presidente e sobre temas discutidos nas reuniões do evento. Procurada sobre as agressões, a Secom não se manifestou.


Os jornalistas agredidos vão registrar um boletim de ocorrência sobre o episódio.

Na véspera, Bolsonaro passeou pelas ruas de Roma e foi recebido a gritos tanto de "genocida" como de "mito".

Isolado na cúpula:

A TV Globo divulgou comunicado em que pepudia a violência cometida contra os jornalistas. Leia a íntegra:

"A Globo condena de forma veemente a agressão ao seu correspondente Leonardo Monteiro e a outros colegas em Roma e exige uma apuração completa de responsabilidades.

Quem contratou os seguranças? Quem deu a eles a orientação para afastar jornalistas com o uso da força? Os responsáveis serão punidos? A Globo está buscando informações sobre os procedimentos necessários para solicitar uma investigação às autoridades italianas.

No momento, ficam o repúdio enfático, a irrestrita solidariedade a Leonardo Monteiro e demais colegas jornalistas de outros veículos e uma constatação: é a retórica beligerante do presidente Jair Bolsonaro contra jornalistas que está na raiz desse tipo de ataque.

Essa retórica não impedirá o trabalho legítimo da imprensa. Perguntas continuarão a ser feitas, os atos do presidente continuarão a ser acompanhados e registrados. É o dever do jornalismo profissional. Mas essa retórica pode ter consequências ainda mais graves. E o responsável será o presidente".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos